Francês tetraplégico, cego e mudo pede para morrer

Um jovem de 21 anos que ficou tetraplégico, cego e mudo após sofrer um acidente pediu ao presidente da França, Jacques Chirac, que lhe conceda o direito de morrer. "Senhor presidente da República, o senhor tem o direito de conceder essa graça, e eu lhe peço que me conceda o direito de morrer. Eu o desejo, sobretudo, por causa de minha mãe. Senhor Chirac, o senhor é minha última esperança", diz, numa carta, Vincent Humbert. Há dois anos que o jovem vive totalmente paralisado em um hospital de Berck-sur-Mer, em Pas de Calais, depois de permanecer nove meses em estado de coma. Humbert pediu em vão aos médicos que o ajudem a morrer e até chegou a pensar em pagar alguém para matá-lo. Por último, decidiu dirigir-se ao chefe de Estado francês. O texto, publicado hoje pelo jornal France Soir, foi escrito por uma assistente do paciente, que consegue mover apenas o polegar da mão direita - com o qual assinala cada letra até formar uma frase, quando deseja dizer alguma coisa."Em 24 de setembro de 2000, sofri um acidente de trânsito. Estive em coma por nove meses, todos os meus sentidos vitais foram afetados - exceto a audição e a inteligência, que me permitem ter um pouco de alívio", diz a carta. O jovem baseia seu pedido no fato de que sua mãe abandonou tudo para dedicar-se a seus cuidados; trabalha durante todo o dia, a semana inteira, para pagar o aluguel do pequeno apartamento que fica em frente ao hospital. "Não quero viver fazendo sofrer os meus", expressou Vincent, que, antes da tragédia, era bombeiro voluntário e praticava esportes.As leis francesas não autorizam a eutanásia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.