AFP PHOTO / FAMILY HANDOUT
AFP PHOTO / FAMILY HANDOUT

Francesa cruza sem querer do Canadá para EUA e passa 15 dias na prisão

A jovem, que não levava nenhum documento de identidade no momento da detenção, afirmou não se ter dado conta de que estava em território americano

O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2018 | 21h44

PARIS - Cedella Roman, uma francesa de 19 anos, foi detida em maio durante 15 dias pelas autoridades americanas depois que cruzou do Canadá para os Estados Unidos inadvertidamente enquanto corria, informou neste domingo, 24, a imprensa francesa.

A história de Cedella teve grande repercussão na França, pois foi vista como um absurdo reflexo da dura política migratória da administração de Donald Trump.

Cedella saiu no dia 21 de maio para correr nas imediações de White Rock, cidade do extremo oeste canadense na fronteira com os EUA.

A estudante deixou a beira da praia devido à alta da maré e entrou em terra firme, onde foi abordada por dois agentes.

+ Mais de 500 crianças imigrantes nos EUA foram devolvidas a suas famílias

A jovem, que não levava nenhum documento de identidade no momento da detenção, afirmou não se ter dado conta de que estava em território americano - tinha entrado no Estado de Washington e deixado o canadense da Colúmbia Britânica - e assim falou com os agentes.

Apesar das explicações, foi transferida para um centro de detenção americano perto do aeroporto de Tacomã, em Seattle, situado a cerca de 200 quilômetros ao sul do local no qual a interceptaram.

"É ridículo ir para a prisão por sair simplesmente para correr. Nunca imaginei tal coisa", relatou ao canal Franceinfo a jovem, que aproveitava sua estadia no Canadá para ver sua mãe, residente nesse país, e para aprender inglês.

"Fui levada para a prisão com algemas e em um veículo com grades. Me senti como uma criminosa", acrescentou Cedella.

Em sua chegada a esse centro, conseguiu telefonar para sua mãe, que apresentou o visto e o passaporte da sua filha.

Apesar disso, as autoridades dos EUA pediram ao Canadá que comprovasse a autenticidade dos documentos da jovem.

Devido ao tempo que levou para resolver a burocracia, Cedella acabou passando 15 dias presa, até o dia 6 de junho, junto com dezenas de imigrantes.

"O primeiro dia foi muito difícil. A primeira semana foi pesada (...), mas tentei relativizar. Não tinha muito do que me queixar se comparasse com o que eles viviam. No final eu fiquei detida duas semanas e eles estavam la há meses", contou a estudante.

Devido a este episódio, Cedella, que retornou para a França há uma semana, está proibida de entrar em território americano. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.