Franceses são detidos ao tentarem tirar 103 crianças do Chade

Famílias na França pagariam entre 1.400 e 6.000 euros para adotar os menores com idades entre três a oito anos

Efe,

26 de outubro de 2007 | 03h54

Nove franceses foram detidos na quinta-feira, 25, no Chade após tentarem embarcar 103 crianças africanas para a França, onde seriam adotadas. O avião devia levá-las para um aeroporto do centro-leste da França, informou a imprensa francesa. As crianças, que têm de três a oito anos, estão agora em uma entidade de Abéché sob a proteção das autoridades do Chade e do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur). As autoridades chadianas denunciaram que elas foram seqüestradas na fronteira entre o Chade e o Sudão. Entre os franceses presos em Abéché estão membros da fundação "Zoe's Ark", que pretendiam fazer com que as crianças fossem adotadas por famílias na França, que pagariam entre 1.400 e 6.000 euros. Uma investigação judicial sobre a operação está em curso na França, e as fontes diplomáticas disseram que esta iniciativa é "totalmente anormal". "Denunciamos com força as condições nas quais esta operação parece ter sido organizada", afirmou o Ministério de Relações Exteriores da França. Em comunicado, este departamento lembrou que o Chade e o Sudão, de onde estas crianças "poderiam ser provenientes", são "Estados soberanos que não autorizam a adoção. Hoje é absolutamente impossível para uma família francesa lançar um procedimento de adoção de uma criança chadiana ou sudanesa". "O direito internacional em matéria de proteção de crianças é muito estrita. Está rigorosamente proibido proceder o deslocamento de pequeninos sem ter verificado previamente se seus pais concordam com sua saída", encerrou o ministério.

Tudo o que sabemos sobre:
Françaseqüestro de criançasChade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.