EFE//FILIPPO MONTEFORTE
EFE//FILIPPO MONTEFORTE

"Francisco nos devolveu a vida", dizem sírios acolhidos pelo papa

Famílias que o pontífice levou da Grécia para Roma afirmam que pretendem estar à altura da oportunidade recebida

O Estado de S. Paulo

17 Abril 2016 | 19h58

ROMA - Em sua visita à ilha grega de Lesbos, Francisco quis dar um exemplo ao mundo ao levar consigo três famílias de refugiados sírios, no total de 12 pessoas, para que iniciem vida nova sob a proteção do Vaticano. "Francisco nos salvou a vida", afirmaram os refugiados."Ele é nosso salvador. Ficaremos à altura desta oportunidade", acrescentaram.

As três famílias muçulmanas, que viajaram da Grécia para a Itália no mesmo avião que o papa Francisco, passaram sua primeira noite hospedados na Comunidade católica de São Egídio, no bairro romano de Trastevere.

Em um gesto de desafio do pontífice em relação à Europa, Francisco reconheceu ante a imprensa que "é uma gota no mar, mas, depois desta gota, o mar não será mais o mesmo", citando Madre Teresa, durante o voo de volta de Lesbos.

Francisco, neto de migrantes italianos, contou que a ideia lhe foi sugerida há uma semana por um colaborar.

"Havia também duas famílias cristãs, mas os papéis não estavam prontos. Para mim, todos os refugiados são filhos de Deus", insistiu.

Depois de sua chegada a Roma, os refugiados sírios agradeceram ao papa "a sorte que deu a eles, com seu gesto de esperança que tanto os comoveu", segundo informou o jornal La Stampa.

Se no início pensavam em ir para a Alemanha ou o norte da Europa, agora se sentem totalmente agradecidos pelo gesto do papa. "Somos os convidados do papa, ele nos salvou e devolveu a vida."

"Vimos amigos e parentes morrerem sob os escombros, fugimos porque na Síria não tínhamos nenhuma esperança", disse Hassan, engenheiro originário de Damasco, acompanhado por sua mulher, Nour, e seu filho de 2 anos. "Em Lesbos, compreendemos que estávamos bloqueados em um lugar de onde não poderíamos sair, em uma prisão", lamentou. Até o dia em que chegou o papa, "nosso salvador", disse.

"Esperamos que a opinião pública na Europa compreenda nossas razões e o gesto do papa tenha consequências na política em relação aos refugiados", declarou, por sua vez, Nour ao jornal La Repubblica.

Wafa, junto a seu marido Osama e seus filhos Masa e Omar, de 8 e 6 anos, descreve os contínuos bombardeios que viveu nos últimos meses. "Desde então, meu filho Omar fala muito pouco, nenhuma palavra sai de sua boca, está encerrado em um silêncio impenetrável", conta a mãe, visivelmente triste. "Em Lesbos, os dias eram longos até que Francisco nos devolveu a vida."

Ramy, um professor de 51 anos, explica que fugiu de Deir es-Zor, uma província controlada pelo Estado Islâmico (EI), com sua mulher Suhila e seus três filhos - Rashid e Abdelmajid, de 18 e 16 años, e a pequena Al-Quds, de 7 anos. Depois da destruição de sua casa, decidiram ir embora.

"Somos gratos ao papa, estaremos à altura desta oportunidade que ele nos deu e do dom que nos proporcionou", declarou ao La Stampa. Ele admitiu não saber se sua vida deve recomeçar na Europa ou talvez um dia possam voltar para uma Síria sem guerra e violência.

Com estas novas famílias, o Vaticano, que tem 1.000 habitantes, abriga 20 refugiados. No final do ano passado, o papa convidou a todas as paróquias da Europa a abrigar uma família de refugiados, um pedido ao qual muitos não responderam em razão da crescente desconfiança em relação aos muçulmanos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.