AFP PHOTO/JEWEL SAMAD
AFP PHOTO/JEWEL SAMAD

Francisco reza em ato ecumênico no Marco Zero do 11 de setembro

Líder católico se reúne com famílias das vítimas do atentado e líderes de outras religiões e pede mais tolerância

O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2015 | 19h47

NOVA YORK - O papa Francisco visitou nesta sexta-feira,  o Marco Zero do World Trade Center - principal alvo dos atentados do 11 de Setembro - e lamentou a mentalidade de “quem só conhece violência ódio e vingança”. O líder da Igreja Católica reuniu-se com parentes das vítimas dos ataques e com líderes de outras religiões. Ele pregou uma maior aceitação e reconciliação para evitar novos casos de terrorismo. 

“Esse é um lugar onde derramamos nossas lágrimas. Choramos pelo sentimento de impotência perante a injustiça, o assassinato e o fracasso em resolver diferenças por meio do diálogo”, disse o papa. “Velamos a perda equivocada e sem sentido de vidas inocentes perdidas em virtude da nossa inabilidade em encontrar o bem comum.”

Francisco também abraçou e aconselhou as pessoas que perderam entes queridos no atentado. Participaram da cerimônia também líderes judaicos, muçulmanos, hindus e sikhs. Em uma tentativa de fortalecer laços com líderes de outras crenças, Francisco participou de orações. 

“Que as diversas religiões reunidas aqui sejam uma força para a reconciliação, paz e a justiça”, acrescentou Francisco. “Juntos devemos dizer não a qualquer tentativa de impor a uniformidade de pensamento e sim à aceitação da diversidade e à reconciliação.”

Ato. A cerimônia começou com as reflexões do rabino Elliot Cosgrove e do imã Khalid Latif, da Universidade de Nova York.

Depois, foi feita uma oração em memória das 2.983 vítimas dos atentados e meditações sobre a paz, marcadas por badaladas de um sino. O Young People’s Chorus da cidade de Nova York interpretou no final do ato a canção Let There Be Peace on Earth e os dez líderes religiosos presentes se cumprimentaram.

Depois, Francisco visitou o Museu Nacional do 11 de Setembro, que fica no mesmo complexo. Lá está exposto o resto de uma coluna de aço em forma de cruz de uma das torres do World Trade Center e uma Bíblia, que foi encontrada durante os trabalhos de resgate. 

O papa garantiu que, apesar das diferenças, é possível viver num mundo de paz. “Aqui, a dor é palpável. A água, que vemos correr para este centro vazio, lembra-nos todas aquelas vidas que estavam sob o poder daqueles que creem que a destruição é o único modo de resolver os conflitos”, disse ele. “Perante qualquer tentativa de uniformizar, é possível e necessário que nos reunamos, com diferentes línguas, culturas, religiões, para dar voz a tudo aquilo que o deseja impedir.”

Esta é a primeira visita de Francisco aos Estados Unidos. Em 2008, o papa Bento XVI visitou o Marco Zero, quando as obras do memorial ainda não estavam concluídas. A exemplo de Francisco, ele também rezou pelas vítimas do atentado. 

Depois do memorial, o papa visitou a Escola Nossa Senhora Rainha dos Anjos, no bairro do Harlem, onde se reuniu com crianças e famílias de imigrantes. Pouco depois, participou de uma procissão no Central Park e rezou uma missa no Madison Square Garden. / NYT e EFE

Mais conteúdo sobre:
Papa Francisco EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.