Franco-atirador é considerado culpado por homicídio

Depois de deliberar por mais de seis horas, o júri de um tribunal de Virginia Beach, no Estado americano de Virgínia, considerou culpado de homicídio premeditado o ex-sargento de Exército John Allen Muhammad, de 42 anos, e concluiu que ele utilizou um fuzil, um velho automóvel e um adolescente que o idolatrava para matar várias pessoas ao acaso e aterrorizar os subúrbios de Washington no ano passado. Muhammad, de 42 anos, manteve-se impassível durante a leiturada condenação após seis horas e meia de deliberações de júri. Aotodo, Muhammad e seu cúmplice, Lee Boyd Malvo, de 18 anos, sãoacusados de atirar em 19 pessoas - matando 13 e ferindo 6 - emAlabama, Georgia, Louisiana, Maryland, Virginia e Washington, noque a promotoria disse ser uma tentativa de extorquir US$ 10milhões do governo. Muhammad foi considerado culpado de todas as acusações -homicídio, conspiração e uso de arma de fogo para cometer umcrime - na morte de Dean Meyers, um veterano da Guerra do Vietnãque foi assassinado a tiros em 9 de outubro de 2002 em Virginia.Muhammad também é acusado terrorismo ao infringir uma nova leide Virginia que foi promulgada após os atentados de 11 desetembro de 2001. Seu cúmplice, Malvo, está sendo julgado separadamente nalocalidade de Chesapeake pelo assassinato de Linda Franklin emFalls Church. A promotoria descreveu Muhammad como um assassinodominador, que treinou um adolescente que o idolatrava como umfranco-atirador e depois trabalhou com ele para criar um climade terror que se estendeu até a costa atlântica.Os membros do júri devem decidir agora se Muhammad será condenado à morte ou à cadeia perpétua. A fase punitiva do processo, depois do veredito de culpabilidade, começará ainda hoje. O cúmplice de Mohammad, Lee Boyd Malvo, de 18 anos, está sendo processado por um outro tribunal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.