Andres Martinez Casares/Reuters
Andres Martinez Casares/Reuters

Frase de Piñera sobre violência contra mulher causa revolta no Chile

Presidente chileno teve trabalho para se explicar depois de culpar as vítimas por abusos durante evento para promulgação de uma lei contra feminicídio em Santiago

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2020 | 21h24

SANTIAGO - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, cometeu nesta segunda-feira, 2, um novo erro político ao culpar as mulheres vítimas de violência e abuso. "Às vezes, não é apenas a vontade dos homens de abusar, mas também a posição das mulheres em serem abusadas", disse Piñera, durante a promulgação de uma lei que endurece a pena para feminicídios. "Temos de corrigir o agressor e também dizer à pessoa abusada que ela não pode permitir que isso aconteça, que toda a sociedade a ajudará e a apoiará para denunciar e evitar que esses fatos sigam acontecendo."

Piñera tem 6% de popularidade, a mais baixa aprovação desde a volta da democracia no Chile. Em janeiro, o apoio ao presidente caiu 19 pontos porcentuais com relação a pesquisas anteriores, enquanto a rejeição subiu 32 pontos porcentuais e chegou a 82%. Parte desse desastre político se deve aos protestos populares do ano passado – e a maneira desastrosa com a qual o governo lidou com as manifestações.

No evento desta segunda, era para Piñera marcar alguns pontos. Ao lado da primeira-dama, Cecilia Morel, e da ministra das Mulheres, Isabel Plá, bastava promulgar a lei ­– batizada de "Gabriela", em homenagem à Gabriela Alcaíno, de 17 anos, assassinada pelo namorado – e proferir um discurso. No entanto, a fala do presidente provocou uma nova crise de imagem.

"É intolerável culpar a vítima de violência de gênero, ainda mais no contexto da promulgação da #LeyGabriela. É uma declaração da ignorância que violenta as mulheres, especialmente as vítimas de violência", disse o Observatório Contra Assédio Sexual, em comunicado.

A gafe levou Piñera a publicar mais tarde uma nova mensagem à imprensa. "Quero ser muito claro: a posição do nosso governo é de tolerância zero contra todos os tipos de violência ou abuso contra mulheres", disse. Depois, nas redes sociais, tentou de novo se explicar. "As coisas claras: nunca disse que a mulher pode ter responsabilidade. O que disse é que muitas mulheres abusadas não podem denunciar e não recebem proteção efetiva a tempo."

As declarações de Piñera foram dadas na semana em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, quando se espera uma grande manifestação em Santiago. No ano passado, a comemoração reuniu mais de 200 mil mulheres. E tudo o que o presidente chileno não quer é mais uma multidão protestando contra ele nas ruas. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.