Frattini acha que Kadafi deixou Trípoli, mas não a Líbia

O ministro de Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse hoje que o líder líbio Muamar Kadafi pode ter fugido da capital Trípoli, mas provavelmente ainda está na Líbia. Ele declarou que "a pressão internacional provavelmente provocou a decisão de Kadafi de buscar refúgio num local mais seguro". As afirmações foram feitas durante uma entrevista com imagens gravadas ao Corriere della Sera que foram postadas no site do jornal.

AE, Agência Estado

13 de maio de 2011 | 13h17

"Eu tendo a acreditar que a solução foi escapar de Trípoli, mas não da Líbia", disse Frattini. "A Líbia é um país grande, com áreas de deserto." Kadafi deve estar entre os três membros do governo líbio que terão mandados de prisão emitidos na segunda-feira pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

O complexo de Kadafi foi alvo de vários ataques aéreos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Acredita-se que em 30 de abril, data de um dos ataques, o líder líbio estava no interior do complexo, mas teria escapado ileso.

Na tentativa de acalmar as especulações de que ele teria sido morto, a televisão estatal líbia mostrou nesta semana imagens de Kadafi em reunião realizada quarta-feira com líderes tribais, aparentemente num hotel de Trípoli. Frattini disse que tem "muitas dúvidas de que as imagens tenham sido feitas naqueles dias e que o local tenha sido Trípoli". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesKadafiFrattini

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.