Fraudador acusado de terrorismo condenado a 11 anos

Um líder de obras de caridade muçulmano, acusado de ligações com Osama bin Laden, foi condenado a mais de 11 anos de prisão, por fraudar doadores. Enaam Arnaout, de 46 anos, é cidadão americano nascido na Síria. A investigação feita pelo governo dos EUA a respeito de Arnaout e sua organização, Benevolence International Foundation, fechada em 2002, é um componente importante da ?guerra ao terrorismo? movida pelo governo Bush. O procurador-geral John Ashcroft apresentou pessoalmente, perante o tribunal de Chicago, as acusações quando Arnaout foi indiciado.O acusado declarou-se culpado de fraude, confessando ter desviado milhares de dólares de sua organização filantrópica par apoiar grupos islâmicos militantes na Bósnia e na Chechênia. Arnaout foi condenado a 11 anos e quatro meses, e terá de cumprir 10 anos antes de ter direito a condicional. A juíza responsável pelo caso não ampliou a pena para 20 anos, como haviam pedido os promotores. Ela argumentou que as ligações de Arnaout com a rede Al-Qaeda, de Osama bin Laden - o acusado admite ter se reunido com o milionário saudita nos anos 80, mas diz desconhecer suas atividades mais recentes - não provam que Arnaout tenha patrocinado atos terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.