Frei se declara candidato do 'progresso' no Chile

A possibilidade de uma derrota ante o direitista Sebastián Piñera no segundo turno das eleições presidenciais chilenas, que acontece no domingo, acentuou a mudança de imagem do candidato do governo, Eduardo Frei, e o levou a proclamar-se o defensor do "progresso".

AE-AP, Agencia Estado

14 de janeiro de 2010 | 20h21

Além disso, Frei se declara herdeiro da popular presidente Michelle Bachelet, de quem criticou o governo no início. Bachelet não escondeu e declarou também sua adesão a Frei, embora não tenha conseguido transferir sua grande popularidade ao candidato. Pesquisas de opinião indicam que a presidente tem índice de popularidade de 81%.

O aspecto formal e sério de Frei já havia mudado durante a campanha eleitoral, cujo primeiro turno aconteceu em 13 de dezembro. Sem o habitual paletó e gravata, ele fez uma campanha em mangas de camisa e brincou com frequência com seus interlocutores.

Com uma desconhecida eloquência no último debate presidencial, Frei demonstrou uma expressividade incontida e teve de ser interrompido ou freado pelos jornalistas. "Me criticavam porque eu falava pouco", disse ele, justificando-se.

Frei também brincou com as críticas que lhe eram feitas por ser "aborrecido". E disse, quase desafiante, que aprendeu a dançar cueca, a dança nacional, para celebrar em setembro o bicentenário da independência nacional.

Frei, de 67 anos, governou o Chile entre 1994 e 2000. Ele foi o segundo mandatário da coalizão que tem governado o Chile deste o restabelecimento da democracia em 1990.

Durante seu mandato ele realizou importantes reformas na Justiça e na educação. Também impulsionou a renovação da infraestrutura do país, que fora deixada de lado durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), além de ter empreendido uma política externa destinada a firmar acordos de livre comércio com diversos países.

Em 1995, coube ao seu governo fazer com que o chefe da temida polícia secreta de Pinochet, o ex-general Manuel Contreras, acatasse a prisão por sua responsabilidade no homicídio, em Washington, do chanceler esquerdista Orlando Letelier.

Outra situação difícil foi conviver com Pinochet, que se manteve até 1998 como chefe do Exército, e depois fazer esforços para que a Justiça inglesa devolvesse o ex-ditador. A medida teve custos políticos para Frei e seus aliados.

Agora, Frei é partidário da abolição da polêmica lei de anistia que o ex-ditador apresentou em 1978 para apagar suas violações aos direitos humanos cometidas nos primeiros cinco anos de seu regime.

Democrata cristão, filho do também ex-presidente Eduardo Frei Montalva (1964-1970), o candidato do governo defende uma maior participação do Estado na economia e rechaça contundentemente a privatização da empresa produtora de cobre Codelco, responsável por grandes recursos obtidos pelo país.

Frei conquistou o apoio da principal central trabalhista de seu país por sua decisão de lutar por reformas, um anseio dos sindicalistas e setores de esquerda. E na questão educacional é favorável a uma reforma que favoreça o ensino público.

Engenheiro de profissão, Frei é pai de quatro filhas. Seu ingresso na política foi tardio, no final da década de 80, quando começou a participar da aliança de centro-esquerda que buscava pôr fim à ditadura.

Em dezembro de 1996, ele foi eleito presidente, com maioria absoluta, no primeiro turno das eleições, favorecido pelo nome que herdou do pai, um dos líderes da outrora poderosa Democracia Cristã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.