Freira rapper cantará para o papa na Colômbia

Ela usa tênis, faz rap e já participou de um reality show. Agora a freira María Valentina de los Ángeles realizará o sonho de cantar para o papa Francisco em sua visita à Colômbia. Conhecida por sua alegria e carisma, esta jovem bogotana de pele morena e baixa estatura colabora com o grupo musical vencedor de um concurso local que elegeu o hino que tornará mais agradável o percurso do papa. 

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 05h00

O "prêmio" é interpretar a canção ganhadora, Demos el primer paso, um vallenato (gênero musical popular na Colômbia) pop de pouco mais de quatro minutos que inclui uma estrofe em forma de rap, enquanto o pontífice argentino se move entre a multidão de fiéis colombianos.

Francisco, um dos impulsores do acordo de paz entre o governo colombiano e a maior guerrilha do país, após meio século de conflito, visitará Bogotá, Medellín, Villavicencio e Cartagena entre 6 e 10 de setembro.

Vai ser "uma oportunidade para mostrar a ele nosso carinho através do que sabemos fazer, que é música", disse à AFP María Valentina, de 28 anos, que cantará a canção com cerca de 20 concertistas da fraternidade Músicos Católicos Unidos (MCU).

A religiosa se tornou conhecida no país após participar, no ano passado, do reality show "A otro nivel", no qual fez um rap com tanta "naturalidade" que os MCU a convidou para compor e cantar uma estrofe da canção que acabou sendo eleita, no início de agosto, como o ritmo oficial de Francisco na Colômbia.

"A Colômbia te recebe com os braços abertos / a uma só voz te dizemos muito contentes / bendito seja Deus, que em sua sabedoria te trouxe a nossas terras para ser seu guia", diz o rap da freira.

Amante de todos os gêneros musicais, contanto que tenham "um conteúdo bonito e profundo", a jovem freira destaca o espírito de protesto do rap, o ritmo com raízes negras surgido nos Estados Unidos na década de 1960. 

"O maravilhoso do rap é que ele fica na cabeça muito facilmente, e quando tem a profundidade de uma verdade, que é Cristo, é ainda mais chamativo", afirma.

María Valentina considera que este gênero reivindicativo é adequado à ordem papal aos jovens: "fazer bagunça". 

"Bagunça no contexto e na linguagem do santo padre é ser diferente, é ser atrevido levando uma mensagem de alegria, esperança, de caridade", explicou.

Por isso, acredita que a mistura de sons de "Demos el primer paso" vai agradar ao papa.

Francisco "é latino, mas nossa intenção, mais que agradar ao santo padre, é ser igreja e que todas as pessoas possam cantar conosco", acrescentou.

Evangelizar com música. María Valentina não é uma freira tradicional. Diz que por "conforto" prefere usar tênis em vez de sandálias. Toca ukelele e na adolescência foi guitarrista de rock.

Além disso, superou o Nash (esteato-hepatite não-alcoólica), uma doença diagnosticada quando ela era criança e que a obrigaria a fazer um transplante de fígado quando chegasse à maioridade. 

Aos 16 anos, porém, os médicos se surpreenderam, conta, porque após um exame de rotina não encontraram rastro da doença. A jovem atribuiu sua cura a Deus e um ano depois se converteu à vida consagrada, mas sem abandonar sua paixão pela música.

"Meu sonho é ser uma boa religiosa, e fazer música é um segundo sonho. Quero gravar mais e quero que as pessoas, mas que se apaixonem pela minha voz, se apaixonem por Jesus", disse.

Além do seu reconhecimento como solista, que lhe permitiu gravar um disco intitulado "Dime y dame", a religiosa faz parte da Comunidad de las Comunicadoras Eucarísticas del Padre Celestial, da Arquidiocese de Cali.

Essa comunidade surgiu após o pedido de João Paulo II aos artistas para que evangelizem através de suas criações.

"Na igreja há vários ritmos, há várias pessoas que têm diferentes formas de amar e de louvar a Deus", afirmou a madre superiora, Gabriela del Amor Crucificado, à AFP.

Na congregação há uma produtora de televisão e um grupo musical, que conta com a participação de María Valentina, que gravou duas produções discográficas.

"Ele (Deus) quer ser conhecido através dos meios, e (...) deve-se fazer com que seja conhecido com o que é tendência", afirma María Valentina. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.