AP
AP

Freiras ortodoxas são libertadas por rebeldes na Síria

Ao menos 12 religiosas ficaram por três meses em poder de jihadistas sírios

O Estado de S. Paulo,

10 de março de 2014 | 15h00

Ao menos 12 freiras sequestradas por mais de três meses por rebeldes na Síria foram soltas no domingo no Líbano e voltaram ao país, disseram autoridades e testemunhas. Testemunhas no lado sírio da fronteira disseram que as freiras chegaram na noite de domingo e se dirigiram para Damasco em um micro-ônibus. Uma testemunha disse que havia 13 freiras e três funcionárias do seu convento.

"Estou com boa saúde, graças a Deus", disse uma das freiras por telefone, interrompendo a conversa antes de dizer seu nome ou outros detalhes.

Uma fonte libanesa de segurança disse que as freiras foram levadas nesta semana para a localidade libanesa de Arsal e viajariam no domingo a Damasco na companhia do chefe da agência libanesa de segurança e de uma autoridade do Catar.

As freiras desapareceram em dezembro, depois que combatentes islâmicos assumiram o controle do bairro antigo da cidade cristã de Maaloula, ao norte de Damasco.

Após serem mantidas no monastério ortodoxo grego de Mar Thecla, na própria Maaloula, elas teriam sido levadas para a cidade rebele de Yabroud, cerca de 20 quilômetros ao norte, que é atualmente o foco de uma operação militar governamental.

Falando a jornalistas na fronteira, o bispo greco-ortodoxo da Síria, Louka al Khoury, comemorou a libertação das religiosas. "O que o Exército sírio conseguiu em Yabroud facilitou o processo."

Logo depois do desaparecimento das freiras, rebeldes islâmicos disseram tê-las apanhado como "hóspedes", e que em breve elas seriam devolvidas. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.