EFE/Ernesto Arias
EFE/Ernesto Arias

Frente Ampla pedirá novamente cassação de presidente do Peru

Bancada de esquerda considera que Pedro Pablo Kuczynski incorreu mais uma vez em 'claro sinal de incapacidade moral' para dirigir o país ao outorgar indulto humanitário e direito de graça - que impede novos julgamentos - a Alberto Fujimori

O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2018 | 09h38

LIMA - O partido esquerdista Terra e Liberdade da bancada da Frente Ampla anunciou na noite de domingo que apresentará outro pedido de cassação contra o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, por ter outorgado indulto ao ex-presidente Alberto Fujimori por um suposto "pacto" com o fujimorismo.

Cenário: Fujimori e a tarefa de tentar reconciliar seus herdeiros políticos

Em entrevista, o deputado Marco Arana disse que a coalizão considera que Kuczynski "voltou a incorrer pela segunda vez em um claro sinal de incapacidade moral para conduzir o país, e por isso deve renunciar ou ser destituído".

Em dezembro, a Frente Ampla e o partido fujimorista Força Popular delinearam a destituição de Kuczynski em razão de seus supostos vínculos com a empresa Odebrecht, mas o chefe de governo se salvou no Congresso com o apoio de uma facção liderada pelo filho mais novo de Fujimori, Kenji.

Três dias após a frustrada tentativa de tirá-lo do poder, Kuczynski outorgou o indulto humanitário e direito de graça, que impede novos julgamentos, a Fujimori enquanto o ex-líder estava internado em uma clínica de Lima.

+ Mario Vargas Llosa: A traição de Kuczynski

O porta-voz da Frente Ampla acrescentou que houve um "pacto de impunidade" entre o governo e o grupo liderado por Kenji Fujimori para dar o indulto ao ex-presidente, que cumpria uma sentença de 25 anos de prisão por crimes contra os direitos humanos.

"Isso é uma afronta nacional", destacou Arana. O congressista acrescentou que "é inaceitável que tenham sido dado estes benefícios (de indulto e direito de graça) a um dos presidentes mais corruptos no mundo". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.