Frio continua a castigar Ásia e Europa

O inverno rigoroso, com frio recorde e tempestades de neve continua varrendo a Ásia, a Europa, e matando milhares de pessoas. Em Bangladesh, na Índia, e no Nepal os ventos gelados vindos da cordilheira do Himalaia derrubaram as temperaturas e já provocaram a morte de mais de mil pessoas. Na Rússia - que já contou 286 mortos desde dezembro -, muitagente está morrendo dentro de casa devido à falta de calefação.Na Europa Central, Croácia, Hungria e Romênia - onde atemperatura desceu a 30 graus negativos - o frio colocou osistema de energia e de transportes em colapso.O pior inverno dos últimos seis anos está vitimando principalmente os sem-teto nas ruas de Bangladesh. O jornalIndependent noticiou, no último fim de semana, que centenas demoradores e rua - além de mendigos, crianças e idosos - têmmorrido por falta de agasalhos para enfrentar o frio de zerograu - rigoroso para os padrões da país - que já matou 590pessoas no último mês.Hoje, o primeiro-ministro Khaleda Zia anunciou uma operação de emergência que inclui distribuição de cobertores e recolhimento de sem-teto e a transformação e escolas em abrigos temporários.Entre domingo e hoje, no Estado de Utta Pradesh, no norte da Índia, nem mesmo as centenas de fogueiras feitas nas ruas pelossem-teto poupou 21 pessoas da morte. O frio matou outras 30pessoas no Estado de Bihar. "Muitas delas vivem sob árvores ou a céu aberto", revelouum representante do governo, que já computa 343 mortos nasúltimas semanas. O frio também afetou a vida escolar, já quetodas as escolas permanecem fechadas desde o dia 16.O Nepal - situado na cordilheira do Himalaia - tem sido castigado principalmente ao sul onde, segundo o governo da capital, Katmandu, 23 pessoas morreram congeladas. As previsõesmeteorológicas são pessimistas para os próximos dias, quando ofrio deve aumentar.Em Moscou (Rússia) - coberto por nevascas e temperaturas de 28graus negativos - 44 pessoas morreram desde a sexta-feira eoutras 333 foram hospitalizadas, em sua maioria por hipotermia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.