Frio glacial atinge regiões mais quentes dos EUA

Moradores da região sudeste dos EUA estocaram alimentos e combustível nesta terça-feira, escolas e escritórios fecharam as portas e responsáveis pelas estradas estão a postos à espera da onda de frio polar e tempestade de neve vinda da região central do país. Neve, gelo e temperaturas abaixo de zero ameaçam uma região mais acostumada com ar-condicionado e protetor solar do que com casacos e escavadeiras.

AE, Agência Estado

28 de janeiro de 2014 | 16h25

Mesmo sem precisar o momento e a severidade da precipitação de ventos glaciais, autoridades de partes do Texas à Virgínia alertaram motoristas a permanecerem fora das estradas. Destinos turísticos populares pela temperatura amena - Charleston, Carolina do Sul, Savannah, Georgia, Pensacola, Flórida, Virgínia Beach, Virgínia e New Orleans - esperam gelo e neve durante os próximos dois dias, inusitada ocorrência em lugares que raramente experimentam temperaturas abaixo de zero por períodos longos.

A nova onda de frio polar levou ao cancelamento de aproximadamente três mil voos internos e externos nesta terça-feira, de acordo com estatísticas de serviços de rastreamento de voos nos EUA.

Apenas no Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson, em Atlanta, o mais movimentado do mundo e o mais atingido pelos cancelamentos, um total de 863 decolares e aterrissagens foram canceladas na manhã de hoje.

Na região central do país, a queda nas temperaturas e aumento dos ventos obrigou escolas e escritórios a permanecerem fechados pelo segundo dia consecutivo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAclimageloneve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.