EFE
EFE

Fuga de 'El Chapo' da prisão foi planejada desde 2014, dizem EUA

Governo mexicano lança megaoperação para recapturar traficante que comanda o cartel de Sinaloa e investiga quem o auxiliou a fugir

O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2015 | 17h33

CIDADE DO MÉXICO - Autoridades americanas sabiam há mais de um ano dos planos de fuga de Joaquin “El Chapo” Guzmán, líder do cartel de Sinaloa, um dos maiores do México, que escapou da prisão no sábado por meio de um túnel de 1,5 km cavado sob sua cela. O governo mexicano ampliou nesta segunda-feira, 13, uma megaoperação para recapturar o traficante e investiga quem o auxiliou.

De acordo com documentos internos da DEA, a agência antidrogas do governo americano, os planos para a fuga de Chapo começaram em março do ano passado, um mês depois de ele ter sido recapturado pelo governo mexicano. 

A operação seria custeada por aliados do cartel de Sinaloa e envolveria suborno de agentes prisionais. Em julho, o filho de Guzmán teria pedido um plano de fuga a um grupo de advogados e especialistas em contrainteligência militar que desertaram do Exército. 

O governo americano prometeu ajudar o México nas buscas pelo líder do cartel de Sinaloa. Segundo a Casa Branca, a procuradora-geral Loretta Lynch entrou em contato com autoridades mexicanas para oferecer assistência.  “O México, como país soberano, tem suas próprias responsabilidades para assegurar que cidadãos mexicanos acusados de crimes graves prestem contas à Justiça”, disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest. “No entanto, já deixamos claro nosso interesse em que ele (Guzmán) enfrente a Justiça aqui nos Estados Unidos.”

O Departamento de Estado também demonstrou preocupação com a fuga de Guzmán. “Sua recaptura é uma prioridade para ambos os governos”, disse o porta-voz John Kirby. “Estamos profundamente preocupados com essa fuga. 

No México, uma reunião entre a Comissão Nacional de Segurança, o Ministro da Casa Civil Miguel Ángel Osorio Chong e o Centro de Investigação e Segurança Nacional definiu as diretrizes para as operações de busca por Chapo. Participam da força-tarefa também equipes da Procuradoria-Geral da República e governadores de diversos Estados. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.