Mohamed Nurdldin Abdallh/Reuters
Mohamed Nurdldin Abdallh/Reuters

'Fuga' de médicos custa US$2 bilhões à África Subsaariana

Por outro lado, países desenvolvidos como EUA e Canadá lucram com 'doutores imigrantes'

Reuters

25 de novembro de 2011 | 11h04

LONDRES - Países da África Subsaariana que investem na formação de médicos já perderam US$ 2 bilhões devido à emigração desses profissionais em busca de emprego em nações mais prósperas, segundo um estudo divulgado na sexta-feira, 25.

Pesquisadores canadenses liderados por Edward Mills, chefe do departamento de saúde global da Universidade de Ottawa, concluíram que África do Sul e Zimbábue são os países mais prejudicados, ao passo que Austrália, Canadá, Grã-Bretanha e Estados Unidos são os mais beneficiados com a contratação de médicos formados no exterior.

Mills disse que os países receptores precisam admitir esse desequilíbrio e investir mais na formação e desenvolvimento dos sistemas de saúde nos países de onde ocorre a "fuga". "Os países em desenvolvimento estão na prática pagando para treinar pessoal que então sustenta os serviços de saúde nos países desenvolvidos", escreveu o grupo no artigo publicado no British Medical Journal.

Em 2010, a Organização Mundial da Saúde (OMS) adotou um código de conduta para o recrutamento de pessoal da área médica, e pediu aos países ricos que ofereçam ajuda financeira às nações mais pobres que são afetadas por esse problema.

Esse código é particularmente importante para a África Subsaariana, onde a emigração de profissionais dificulta o combate a problemas como as epidemias de Aids, tuberculose e malária.

A equipe de Mills usou dados educacionais da Unesco e de outras fontes para calcular o custo na formação de um médico desde a escola primária até o final da faculdade em nove países africanos: África do Sul, Etiópia, Quênia, Malaui, Nigéria, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e Zimbábue.

Os resultados mostram que formar um médico custa entre US$ 21 mil (em Uganda) a US$ 59 mil (na África do Sul). Esse investimento é perdido se o profissional vai procurar emprego num país mais rico. Nesses nove países, a soma de todo o dinheiro investido na formação de médicos que acabaram emigrando supera os US$ 2 bilhões.

O estudo calculou que a Grã-Bretanha já lucrou US$ 2,7 bilhões com a importação desses profissionais. O benefício foi de US$ 846 milhões nos EUA, US$ 621 milhões na Austrália e US$ 384 milhões no Canadá.

Tudo o que sabemos sobre:
Áfricamédicosemigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.