Fujimori admite ter pago milhões a Montesinos

Promotoria acusa ex-presidente de peculato e falsidade ideológica e pede pena de 8 anos de prisão por desvio de fundos do Tesouro

AP, O Estadao de S.Paulo

14 de julho de 2009 | 00h00

O ex-presidente peruano Alberto Fujimori, que cumpre pena de 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos, admitiu ontem ter pago ilegalmente US$ 15 milhões a seu ex-chefe de inteligência Vladimiro Montesinos no fim de seu governo de uma década, delito pelo qual a promotoria pediu uma condenação de 8 anos de prisão.No entanto, o ex-presidente rejeitou ter responsabilidade penal no caso.Um tribunal civil iniciou ontem o terceiro julgamento público contra Fujimori, que completará 71 anos no fim do mês, por delitos de peculato e falsidade ideológica por ter pago US$ 15 milhões a Montesinos com fundos do Tesouro, retirados de forma irregular.Fujimori parecia sereno e imperturbável quando lhe pediram que dissesse se reconhecia ter cometido os delitos dos quais é acusado. "Somente aceito os fatos, não aceito a responsabilidade penal, a pena nem a reparação civil", declarou.O advogado de Fujimori, César Nakazaki, disse que Fujimori não deveria ser condenado por peculato, pois após ter feito o pagamento a Montesinos o ex-presidente restituiu os fundos ao Tesouro.O fato de Fujimori ter aceitado as acusações indica que o julgamento terminará rapidamente, já que não haverá interrogatório de testemunhas.A defesa de Fujimori conduz um processo de apelação da sentença de 25 anos de prisão à qual ele foi condenado em abril por sua responsabilidade nas matanças de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), que custaram a vida de 25 pessoas, e os sequestros de um jornalista e um empresário em 1992.Fujimori governou o Peru autoritariamente entre 1990 e 2000, quando um vídeo mostrou Montesinos, então seu homem de confiança, subornando um deputado de oposição. O escândalo levou à queda de seu governo em novembro de 2000.Fujimori abandonou o Peru e se refugiou no Japão por cinco anos. Depois, viajou para o Chile, onde foi capturado a pedido da Justiça peruana e extraditado em setembro de 2007.O promotor Avelino Guillén disse que o pagamento de US$ 15 milhões "foi uma recompensa pelos serviços que Montesinos prestou durante os anos do regime de Alberto Fujimori". Guillén disse que há várias declarações de pessoas que presenciaram o pagamento que incriminam Fujimori, por isso as acusações estão "solidamente provadas nos autos".Segundo Guillén, após a divulgação do vídeo, em 14 de setembro de 2000, Fujimori ordenou a transferência de US$ 15 milhões ao Ministério da Defesa, justificando - por meio de um decreto - a necessidade de enfrentar uma infiltração de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território peruano.Mas esse dinheiro foi entregue a Montesinos que, por sua vez, o enviou a um traficante de armas que fez o depósito em uma conta do ex-assessor na Suíça.No final de outubro, o governo suíço revelou que havia detectado contas milionárias de Montesinos na Suíça. Em 2 de novembro, Fujimori restituiu os US$ 15 milhões ao Tesouro. ACUSAÇÕES Corrupção - Fujimori reconhece ter pago US$ 15 milhões a Vladimiro Montesinos com dinheiro do EstadoMassacre de La Cantuta - Em 1992, um grupo paramilitar mata nove estudantes e um professor da Universidade de La CantutaMassacre de Barrios Altos - Em 1991, mascarados invadem uma favela de Barrios Altos, em Lima, e matam 15 pessoas Sequestro - Em 1992, o jornalista Gustavo Gorriti é sequestrado por militares

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.