Fujimori perdeu 15 quilos por depressão, mas não está com câncer

Chefe da equipe médica que atendeu Fujimori afirma que ex-presidente terá acompanhamento de psiquiatra

Efe,

14 de junho de 2011 | 17h11

LIMA - O ex-presidente peruano Alberto Fujimori, condenado a 25 anos de prisão, perdeu 15 quilos nos últimos quatro meses por um quadro depressivo, mas não está com câncer terminal nem precisa ficar internado, segundo o boletim médico divulgado nesta terça-feira, 14.

 

O chefe da equipe médica que atendeu Fujimori no Instituto Nacional de Doenças Neoplásicas (Inen, na sigla em espanhol), Pedro Sánchez, disse em entrevista coletiva que o ex-presidente, de 73 anos, "é um paciente de alto risco por ter apresentado quatro recorrências (lesões) na cavidade bucal desde que o câncer foi tratado, em 1997".

 

Fujimori, condenado por violações dos direitos humanos, foi internado na quinta-feira passada no Inen para ser submetido a uma série de exames por conta de uma lesão na língua e por ter perdido 15 quilos nos últimos quatro meses.

 

Nesta terça-feira, depois dos exames realizados, o médico informou também que Fujimori tem hipertensão, um cisto no pâncreas, que está estável, e cálculos renais.

 

Consultado sobre a gravidade de seu estado, Sánchez afirmou que o ex-presidente não está com câncer terminal, mas que "toda pessoa em processo de uma doença neoplásica (câncer) tem risco de uma recaída".

 

Nos últimos dias, foi bastante discutida a possibilidade de Fujimori obter um indulto presidencial caso a gravidade de sua doença seja confirmada, o que não foi descartado pelo presidente Alan García, nem pelo presidente eleito Ollanta Humala.

 

O indulto a um preso é de atribuição exclusiva do chefe de Estado e é concedido a doentes terminais. Quando a decisão é tomada, nenhuma instância judicial pode recorrer da mesma.

 

Sánchez acrescentou que a lesão na língua foi controlada sem necessidade de uma nova intervenção cirúrgica, mas ressaltou que a diminuição de peso atual é "grande".

 

"A perda de peso (de 79 quilos para os 64 atuais) se deve ao quadro depressivo e isto acontece em pacientes que têm esta condição", ou seja, um câncer na cavidade bucal tratado de forma recorrente.

 

O médico relatou que Fujimori terá alta nesta terça-feira e seguirá seu tratamento, inclusive com um especialista da psiquiatria, no local onde permanece detido (a prisão da Direção de Operações Especiais) e com exames periódicos a cada três meses no Inen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.