EFE/Mario Zapata
EFE/Mario Zapata

Fujimorismo luta para se manter relevante na política peruana

O maior grupo de oposição do Peru vem sofrendo reprovação da população e sucessivas derrotas nas eleições

David Blanco Bonilla/EFE, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2018 | 05h00

LIMA, PERU - Dois anos depois de Keiko Fujimori quase se eleger presidente do Peru, o capital político do fujimorismo desapareceu. Nas eleições regionais e municipais de domingo, o maior grupo de oposição do Peru sofreu sua maior derrota política. Em Lima, Diethell Columbus, candidato do partido Força Popular, de Keiko, obteve 2,7% dos votos – o vencedor, o centrista Jorge Muñoz, ficou com 36%.

Keiko é hoje reprovada por mais de 80% dos peruanos, segundo várias pesquisas. Isto explica porque o Força Popular foi derrotado em todos os 43 distritos da capital – chegou em segundo lugar apenas em San Juan de Miraflores. No interior do país, a coisa não foi diferente. 

O fujimorismo não elegeu governador em nenhuma região, nem seque chegou ao segundo turno, marcado para o dia 9 de novembro. Assim, o Força Popular perdeu as três regiões que controlava desde 2014: Ica, Pasco e San Martín. 

No domingo, o partido só venceu as prefeituras de Yauyos, na região de Lima, e de Sánchez Carrión, no norte do país. Venceu também em pequenos municípios como Huanchaco, na Província de Trujillo. Os resultados fizeram com que os analistas decretassem que o fujimorismo foi a última vítima da crise de desprestígio que enfrenta a política tradicional.

Mercedes Aráoz, vice-presidente do país, disse ao Canal N de TV que o Keiko está derrotada. “O recado da população foi claro. Ela não quer contar com o fujimorismo”, disse Aráoz, que acusou o grupo de tentar sabotar a estabilidade política no Peru. Assim, dois anos depois de perder a eleição presidencial por 41 mil votos para Pedro Pablo Kuczynski, o grupo de Keiko Fujimori luta agora pela própria sobrevivência.

Mais conteúdo sobre:
Keiko Fujimori Peru [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.