Fukuda é escolhido premiê no Japão

Moderado vence disputa interna do partido governista por ampla vantagem e será nomeado formalmente amanhã

AP e Reuters, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2024 | 00h00

O conservador moderado Yasuo Fukuda, de 71 anos, confirmou ontem seu favoritismo e venceu a eleição para presidência do Partido Liberal Democrático (PLD), que controla a maioria da Câmara Baixa (Dieta) do Parlamento japonês. Com o triunfo, ele deve ser nomeado oficialmente primeiro-ministro do Japão amanhã.Fukuda, filho do ex-premiê Takeo Fukuda (que governou o país de 1976 a 1978), derrotou o secretário-geral do PLD, Taro Aso, de 66 anos, por uma diferença de 133 votos - 330 a 197. De acordo com analistas, o novo primeiro-ministro é visto com o símbolo de estabilidade pela população.O futuro premiê substituirá Shinzo Abe, que renunciou no dia 12, em meio a uma série de escândalos de corrupção e grande queda de popularidade. Durante o governo de Abe, que durou quase um ano, quatro ministros renunciaram e um suicidou-se. No dia seguinte à sua renúncia, Abe foi internado por causa de problemas gastrointestinais, aparentemente relacionados ao stress.Fukuda, que foi chefe de gabinete do ex-premiê Junichiro Koizumi (2001 a 2006), reconhece que terá um duro trabalho pela frente. ''''Minha nomeação ocorre em tempos difíceis. Reconquistarei a confiança da população no governo'''', disse horas após sua vitória.Uma das prioridades do novo governo será a aprovação no Parlamento do apoio japonês à missão internacional no Afeganistão, criticado pela oposição. Petroleiros japoneses reabastecem navios da coalizão desde 2001 no Oceano Índico e os EUA, um dos maiores aliados do Japão, querem que o país amplie a operação. De acordo com o futuro premiê, é obrigação do Japão prosseguir com a missão de estabilização. Segundo jornais japoneses, a medida deve ser votada no começo do ano que vem.Durante sua campanha, Fukuda também prometeu ajudar as pequenas empresas japonesas, menos beneficiadas durante a recuperação econômica do país.O novo governo, no entanto, terá dificuldade para aprovar suas propostas, uma vez que o partido perdeu o controle do Senado em julho, numa derrota considerada humilhante por analistas. ''''Fukuda terá de procurar o consenso, em vez de pressionar pela aprovação das reformas'''', afirmou Mamoru Yamazaki, economista da empresa de consultoria financeira RBS Securities.A oposição japonesa exige a convocação de eleições para a Câmara Baixa. ''''Sem apoio da população, esse governo não chegará a lugar nenhum. Para reconquistar a confiança do país, temos de dissolver o Parlamento e realizar eleições o quanto antes'''', disse Yukio Hatoyama, líder do principal grupo da oposição, o Partido Democrático.COMUNICADOEm nota divulgada após a eleição de Fukuda, Abe pediu desculpas ao partido por sua renúncia. ''''Peço desculpas ao secretário-geral Aso, todos os membros do partido e, acima de tudo, à população japonesa por ter causado esse vácuo político. Espero que o novo líder do PLD tenha força apara aprovar suas reformas'''', afirmou. O governo informou que Abe pode conceder uma entrevista coletiva hoje, no hospital onde se recupera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.