Fukushima abre portas da unidade 2 para reduzir umidade

Abertura deve permitir que os técnicos possam entrar em edifício e calibrar os níveis de radiação

Efe,

20 de junho de 2011 | 03h17

TÓQUIO - A proprietária da usina nuclear de Fukushima Daiichi, Tepco, completou nesta madrugada de segunda-feira, 20, a abertura das portas do prédio que abriga o reator 2 com o objetivo de reduzir a umidade nessa unidade, informou a emissora NHK.

 

A operação começou no fim da noite de domingo e se prolongou durante mais de oito horas para evitar o movimento do pó radioativo, apesar da Tepco utilizar há mais de uma semana um filtro para reduzir a poluição.

 

O objetivo da abertura é reduzir a umidade de 99% do edifício para permitir que os técnicos possam entrar em seu interior, calibrar os níveis de radiação e ajustar equipamentos de medição.

 

A Tepco também planeja injetar nitrogênio nessa unidade para evitar uma explosão como a que danificou os reatores 1 e 3 após serem atingidos pelo terremoto e o devastador tsunami em 11 de março.

 

Um representante da empresa indicou à NHK que a abertura das portas, que implicou a liberação de vapor com baixa radioatividade, apenas teve impacto no entorno da central.

 

Além disso, Tepco tenta reduzir os altos níveis de radiação detectados no fim de semana no edifício do reator 4, que se encontrava parado por uma revisão rotineira no dia da catástrofe.

 

Segundo os técnicos, a radiação procede do andar superior utilizado para armazenar grandes peças de equipamento contaminadas e na qual se está injetando água para reduzir as emissões.

 

Os operários também prosseguem os esforços para reativar o vital sistema de reciclagem de água contaminada, paralisado o fim de semana apenas cinco horas após o início depois que um de seus componentes alcançasse o nível máximo de césio radioativo que podia absorver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.