Reuters
Reuters

Fukushima não conteve expansão nuclear, diz relatório

Ásia deve continuar ampliando parque nuclear, apesar do acidente do ano passado

Reuters,

26 de julho de 2012 | 09h29

LONDRES - A Ásia deve continuar ampliando fortemente seu parque nuclear, apesar do acidente do ano passado na usina de Fukushima, por se tratar de uma fonte energética não-emissora de carbono, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira, 26, por organizações internacionais.

Veja também:

linkComissão critica preparativos do Japão para acidentes nucleares

linkSegunda usina atômica no Japão retoma geração de energia

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Depois do acidente, causado por um terremotoe e um tsunami, o Japão desativou temporariamente seus 50 reatores nucleares, e a Alemanha decidiu abandonar até 2022 o uso dessas usinas. Outros países também passaram a ver essa matriz energética com desconfiança.

Mesmo assim, a capacidade nuclear mundial deve crescer de 44 por cento até 99 por cento até 2035, segundo o relatório da Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA, um órgão da ONU) e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Na edição anterior, há dois anos, a previsão era de uma expansão entre 37 e 110 por cento. O relatório, conhecido como "Livro Vermelho", aborda especificamente o urânio, do ponto de vista dos recursos, da produção e da demanda.

"Vemos (o acidente) como um redutor de velocidade", disse Gary Dyck, diretor de materiais e ciclo do combustível nuclear da AIEA. "Ainda esperamos um enorme crescimento na China."

Na Ásia, disse o relatório, a capacidade nuclear deve crescer entre 125 e 185 por cento até 2035. China, Índia, Coreia do Sul e Rússia devem puxar essa tendência.

O estudo diz também que o setor de mineração deve ser capaz de suprir a crescente demanda mundial por urânio, desde que continue recebendo investimentos. Em 2009 e 2010, foram gastos mais de 2 bilhões de dólares em prospecção e desenvolvimento de minas, o que permitiu um aumento de 12,5 por cento nos recursos existentes.

A partir do ano que vem, as usinas nucleares vão depender mais da extração de urânio do solo, já que terminará um contrato da Rússia para abastecer os EUA com urânio retirado de armas desativadas. Muitos investidores preveem uma alta no preço do urânio por causa disso.

Mas Robert Vance, funcionário da Agência de Energia Nuclear da OCDE, disse que outras fontes secundárias de urânio podem ser desenvolvidas. "Continua havendo uma quantidade significativa de urânio previamente extraído (...), parte dele poderia ser de forma viável colocada no mercado de maneira controlada", disse o relatório.

O urânio, que era cotado a 70 dólares por libra-peso depois do acidente de Fukushima, está atualmente ligeiramente acima dos 50 dólares por libra-peso.

Mais conteúdo sobre:
JapãonuclearFukushimausina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.