Fukushima sofre 2 fortes terremotos de 6 e 5,8 graus

Região enfrenta problemas para controlar os reatores nucleares das usinas; governo não emitiu alerta de tsunami

Efe,

22 de março de 2011 | 22h25

TÓQUIO - Dois fortes terremotos de magnitude 6 e 5,8 graus na escala Richter ocorreram na manhã de quarta-feira (noite de terça no Brasil) em uma ampla área do nordeste japonês, sem que, aparentemente, causassem danos.

Segundo a televisão pública japonesa NHK, o maior dos tremores, de 6 graus, foi registrado às 7h12 local (19h12 de Brasília) e seu epicentro foi localizado ao sul da província de Fukushima - região castigada pelos problemas nucleares.

Apesar dos terremotos, os trabalhos de recuperação na usina não foram atrapalhados, de acordo com a Agência para a Segurança Nuclear do Japão.

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

Minutos após o terremoto, as autoridades japonesas indicaram que não era necessário emitir um alerta de tsunami.

O tremor foi sentido com uma intensidade de grau 5, na escala japonesa de sete pontos, nas localidades de Hamadori e Ibaki.

A NHK disse que o tremor, que durou cerca de 20 segundos, fez suspender o serviço de trem de alta velocidade da linha Tohoku entre Oyama e Nasu, para checar o estado das vias.

Cerca de 24 minutos depois desse terremoto foi registrado outro de 5,8 graus na mesma zona, cujo epicentro foi localizado a 10 quilômetros de profundidade nas proximidades de Hamadori e que também não gerou nenhum alerta de tsunami.




Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.