Fumaça pode causar doenças pulmonares em NY

A gigantesca nuvem de fumaça e pó que se desprende das ruínas do World Trade Center pode desencadear ataques de asma, enfisema e outras enfermidades pulmonares crônicas em pessoas apenas um ou dois dias depois de ficarem expostas a ela, disseram nesta quarta-feira vários médicos. Mesmo pessoas que tenham ficado distantes do lugar das explosões podem sofrer ataques respiratórios se forem pacientes crônicos dessas enfermidades, disseram especialistas."É óbvio que respirar um ar carregado de fumaça é suficiente para (provocar os sintomas em) quem padece de doenças pulmonares", disse o doutor Mark Siegel, professor-assistente da Escola de Medicina de Yale. Risco de ataques cardíacosInalar as partículas contidas na fumaça também poderia afetar pessoas cardíacas ou com a saúde debilitada, disse Siegel. Em conseqüência, poderia crescer o risco de ataques cardíacos e o estado de corações que apresentam problemas. Os que se encontram no lugar do desastre - como os bombeiros, policiais e funcionários que escaparam das torres gêmeas após as explosões - poderiam também apresentar sintomas de pneumonia ou síndromes similares durante as próximas 24 horas disse o doutor E. Neil Schachter, diretor médico de problemas respiratórios no Hospital Mount Sinai em Nova York. Tal enfermidade pode ser mortal, mas na maioria dos casos desencadeia uma condição crônica similar à da asma, disse.Nem as máscaras são suficientesSegundo Schachter, no local do sinistro até mesmo as máscaras protetoras podem perder sua efetividade em função da densidade da fumaça e dos gases. Siegel disse que os que estiveram no local e foram hospitalizados por problemas respiratórios provocados pela fumaça - cujos sintomas incluem dificuldade respiratória, tosse e dores no peito - podem piorar dentro de um prazo de quatro dias, se os pulmões se encherem de fluidos e se inflamarem. "Mas as pessoas que estão bem seguramente continuarão bem", acrescentou. Amianto no arAlém da fumaça, a principal preocupação dos ambientalistas sobre a tragédia são os minerais do grupo do amianto, disse a presidente do Escritório de Proteção Ambiental, Christie Whitman. As três primeiras provas realizadas pela entidade mostraram "nenhuma ou quase nenhuma" presença de amianto no ar, disse Whitman, mas uma quarta prova já detectou quantidades do material cancerígeno. "Faremos novas provas à medida que o tempo for passando", disse. Molhar com águaMolhar os escombros com água e usar máscaras com filtro pode ajudar as equipes de resgate a evitar a inalação de amianto, pó e fumaça. A longo prazo, Whitman disse que seu escritório ofereceu colaboração para limpar os escombros que cobrem atualmente o lado sul de Manhattan. O instituto ambiental não espera que os atentados terroristas causem danos ambientais permanentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.