Funcionalismo entra no 4º. dia de greve

Cerca de 400 mil funcionários públicos chilenos entraram ontem em seu quarto dia de greve. A paralisação, que tem como objetivo reivindicar um aumento salarial de 14,5%, é considerada uma das piores crises já enfrentadas pela presidente Michelle Bachelet. O impasse nas negociações intensificou-se ontem após a Câmara dos Deputados recusar por ampla margem a proposta governista de dar um aumento de apenas 9,5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.