Funcionário da UE critica governo italiano

Num ataque direto ao governo de Roma, um funcionário-chave da União Européia (UE) qualificou a renúncia do chanceler italiano, Renato Ruggiero, uma grande perda "para um país não especialmente bem-dotado de expressivas conquistas no cenário internacional". O comentário do Comissário Europeu Antitruste, Mario Monti - ele próprio um italiano -, foi feito ao mesmo tempo que o primeiro-ministro Silvio Berlusconi tentava reafirmar suas credenciais como um defensor da integração européia, após Ruggiero deixar o governo no final da semana. Monti criticou diretamente o primeiro-ministro, mencionando uma série de comentários controversos feitos por Berlusconi após assumir o governo. Segundo o comissário, o chefe de governo italiano terá que definir o papel de seu país na UE "com maior atenção do que tem feito até agora". Ele acrescentou que a coalizão de centro-direita que apóia Berlusconi, e que mantém uma linha ambivalente em relação à integração européia, precisa definir uma política clara. "Esse debate precisa esclarecer os temas e não ser marcado por picuinhas que não dão uma imagem digna da Itália", afirmou Monti.

Agencia Estado,

08 Janeiro 2002 | 14h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.