Funcionário mata 3 em fábrica na Suíça

Um funcionário matou ontem três colegas e feriu sete na Kronospan, fábrica de processamento de madeira em Menznau, na Suíça. Quando os policiais chegaram, o ataque a tiros já havia terminado e o atirador estava morto. A polícia não confirmou sua identidade nem como ele morreu.

MENZNAU, SUÍÇA, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2013 | 02h08

Daniel Bussmann, chefe da polícia de Lucerna, cidade próxima a Menznau, disse que o assassino, de 42 anos, era suíço e trabalhou por dez anos na fábrica. O motivo do ataque, segundo ele, não estava claro. Bussmann não comentou a possibilidade de o atirador ter se suicidado.

Um porta-voz da Promotoria afirmou que o assassino usou uma pistola e o ataque durou de dois a três minutos. Os mortos e os feridos foram encontrados no chão de fábrica, em um corredor e na cantina. Para os investigadores, o atirador escolheu suas vítimas e não disparou ao acaso. Todas os mortos eram suíços.

A Kronospan tem cerca de 400 funcionários. A empresa teria anunciado recentemente que reduziria seu volume de produção em razão de uma queda no fornecimento de madeira. No entanto, Mauro Caprozzo, presidente da empresa, negou rumores de que cortes seriam anunciados hoje. De acordo com ele, o assassino era uma pessoa "modesta e calada". "Você quase não o via ou percebia", disse.

O governo suíço lamentou o ataque. "É inacreditável o que ocorreu", disse a ministra das Finanças Eveline Widmer-Schlumpf. Desde janeiro, quando um homem de 33 anos matou três pessoas na vila de Daillon, a Suíça tem debatido leis mais duras para o porte de armas - atualmente, a lei permite que os homens mantenham suas armas de fogo após o serviço militar obrigatório. O país é o terceiro com mais armas per capita no mundo - atrás apenas de EUA e Iêmen.

/ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.