Funcionários da American Airlines rejeitam contrato

Os comissários de bordo das antigas US Airways e American Airlines rejeitaram por pouco um contrato de trabalho comum para cerca de 24 mil trabalhadores da tripulação, dando ao Grupo American Airlines um inesperado revés em seu processo de integração.

Estadão Conteúdo

09 de novembro de 2014 | 17h13

De acordo com a Associação de Atendes de Bordo Profissionais (APFA, na sigla em inglês), 8.180 trabalhadores votaram a favor do acordo, e 8.196 contra. Pelo protocolo definido com a companhia aérea, o caso vai agora para mediação federal.

A American Airlines e a US Airways chegaram no final de 2013 a um acordo que criou a maior companhia aérea de tráfego dos EUA. A instituição que representa os trabalhadores de ambas as empresas chegou a um acordo provisório sobre o contrato de trabalho conjunto no final do mês.

A união e a APFA determinaram que o contrato ofereceria aos atendentes altos salários e melhores regras de trabalho do que a Delta Air Lines. Mas a votação, que não aprovou a medida por apenas 16 votos, sugere que muitos atendentes não ficaram satisfeitos com a proposta.

A APFA afirmou neste domingo que a primeira data para a arbitragem do contrato é 3 de dezembro. Até o processo ser concluído e um novo contrato ser estabelecido, os dois grupos de trabalhadores vão continuar atuando sob seus atuais contratos.

A American Airlines se declarou "decepcionada" com a votação e afirmou em um comunicado que a tentativa de acordo oferecida "regras de trabalho muito melhores do que as do contrato que será determinado pela arbitragem". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAmerican Airlinesfuncionários

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.