Funcionários da British Airways encerram greve nesta quarta

Sindicato ameaça tomar novas medidas de protesto para o verão europeu

Efe,

09 de junho de 2010 | 04h15

LONDRES - O pessoal de cabine da British Airways (BA) encerra nesta quarta-feira, 9, sua última de três séries de greves de cinco dias cada uma em protesto pelas condições salariais e trabalhistas e pela retirada de certas vantagens dos grevistas.

 

O sindicato Unite, que representa comissários de bordo da companhia britânica, atualmente privada, ameaçou realizar uma votação entre seus membros sobre novas medidas de protesto para o verão europeu, que começa ainda este mês.

 

No entanto, o executivo-chefe da empresa, Willie Walsh, se disse disposto a resistir "o tempo que for necessário". A avaliação do impacto da greve nos voos programados varia.

 

Segundo o sindicato, as operações foram muito afetadas, enquanto a empresa afirma que conseguiu manter um bom serviço, pois funcionários que anteriormente estavam em greve voltaram ao trabalho.

 

A BA tentou operar cerca de 80% dos voos de longa distância desde o aeroporto internacional de Heathrow, contra 70 e 60% durante as duas greves anteriores.

 

A proporção de voos europeus que a empresa conseguiu foi de 60%, contra 55 e 50% nas duas interrupções anteriores, sempre segundo fontes da própria empresa.

 

Na terça-feira, 8, representantes dos trabalhadores se reuniram com parlamentares, perante os quais denunciaram o "clima de medo" que impera na companhia, segundo eles.

 

Os deputados assinaram uma moção na Câmara dos Comuns na qual expressavam a preocupação pelo fracasso das tentativas de conciliação entre as partes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.