Funcionários da Justiça da Noruega ainda estão desaparecidos

Forte explosão no centro de Oslo atingiu complexo do governo e danificou prédios de ministérios

Agência Estado

26 de julho de 2011 | 16h13

Prédios do governo foram seriamente danificados pela explosão

 

OSLO - Funcionários do Ministério da Justiça da Noruega continuam desaparecidos quatro dias depois do ataque a escritórios do governo em Oslo, anunciou nesta terça-feira, 26, o ministro Knut Storberget, titular da pasta. "Há pessoas desaparecidas, há pessoas que foram muito duramente afetadas e nós estamos sem ter onde trabalhar", declarou Storberget.

 

Veja também:

linkPai de atirador se diz envergonhado

linkAtirador pode ser acusado por crimes contra humanidade

linkInício do conteúdo"Não devemos ceder à paranoia'', diz educador

linkExtremista aponta 'malefícios' da miscigenação no Brasil

linkAtirador estava na lista de serviço secreto

mais imagens GALERIA: A 'Marcha das Rosas' de Oslo

blog ARQUIVO: Relembre ataques na Europa

 

Ele não entrou em detalhes sobre quantos funcionários do ministério morreram nem quantos continuam desaparecidos. A polícia norueguesa confirma que ainda há desaparecidos.

 

A explosão de sexta-feira no complexo de edifícios do governo no centro de Oslo atingiu o Ministério da Justiça. A estrutura do prédio sofreu danos significativos e as autoridades não podem fazer buscas no interior da construção por riscos de desabamento. A polícia acredita que haja mais corpos no local. Ao menos oito pessoas morreram no episódio.

 

Os ataques de sexta-feira contra escritórios do governo foram reivindicados pelo ativista de ultradireita Anders Behring Breivik. O extremista ainda abriu fogo em um acampamento da juventude do Partido Trabalhista na ilha de Utoya, matando outras 68 pessoas morreram. Até agora, as autoridades norueguesas contabilizam 76 mortos no atentado duplo. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.