EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZ
EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZ

Funcionários públicos da Venezuela denunciam demissões após assinarem referendo contra Maduro

Mais de 1,2 mil funcionários estatais foram destituídos por apoiar a consulta popular promovida pelo grupo que faz oposição ao governo; União Nacional de Trabalhadores disse que denunciará casos à Organização Internacional do Trabalho

O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2016 | 10h26

CARACAS - "Você sabe o que fez", foi o que disseram a Eva Belloso, ao notificá-la sobre a demissão de uma entidade pública na Venezuela. A verdadeira razão, segundo ela, foi ter assinado o referendo revogatório contra o mandato do presidente venezuelano Nicolás Maduro.

Ela é um dos 1.250 funcionários estatais destituídos por apoiar a consulta promovida pela oposição, segundo o sindicato Unete, que denunciará estes casos à Organização Internacional do Trabalho (OIT).

"Estamos solicitando a intervenção imediata do diretor-geral da OIT (Guy Ryder)", disse a coordenadora da União Nacional de Trabalhadores (Unete), Marcela Máspero.

Em alusão à "discriminação no trabalho", os denunciantes buscarão junto à OIT a restituição dos funcionários. "Passei toda a minha vida profissional no Seniat (autoridade alfandegária e tributária)", lamentou Eva, uma advogada de 51 anos, que passou 24 deles na instituição. "Não merecemos que depois de 20, 25, 30 anos nos mandem embora por ter exercido nossos direitos", lamentou.

Miguel Monsalve, afastado da Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec) após 12 anos de serviço, vive uma situação similar. "Não nos deram razões, mas quando os trabalhadores demitidos começaram a se comunicar, todos tinham um denominador comum: assinado" o referendo revogatório, acrescentou.

Marcela garante que a situação se repete na Sidor e na Venalum, metalúrgicas produtoras de ferro e alumínio, enquanto a organização de direitos humanos Provea alerta para a destituição de policiais.

A Venezuela tem dois milhões de funcionários públicos. As denúncias serão anexadas a um expediente aberto contra o governo venezuelano na OIT por uma queixa apresentada na última reunião da entidade, no começo de junho, por razões alheias ao referendo revogatório.

Apoiado pelos três maiores sindicatos do país (Unete, CTV e CGT), este recurso já dava conta de supostas violações da liberdade sindical, falta de medidas para a proteção do salário e discriminação política.

Em maio, Diosdado Cabello, número dois do chavismo, pediu a revisão "assinatura por assinatura" em busca de dirigentes - que na Venezuela são de livre remoção - que tivessem assinado o referendo. "Se há 'escuálidos' (opositores) infiltrados e ficarem expostos, têm que ir", advertiu Cabello. Eva afirma que, ao ouvi-lo, "todas as peças se encaixaram".

Diante das denúncias, o Parlamento, de maioria opositora, aprovou em 30 de junho uma moção de condenação contra as supostas demissões. Não é a primeira vez que isto ocorre, garante a dirigente sindical Marlene Sifontes, ao lembrar que em 2004 o deputado chavista Luis Tascón, morto em 2010, publicou na internet uma lista com os nomes de 2,4 milhões de pessoas que assinaram a favor de um referendo contra o então presidente Hugo Chávez (1999-2013). Na ocasião, houve uma onda de demissões em empresas estatais, acrescentou.

Desta vez, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) difundiu em sua página na internet a identidade daqueles que assinaram o pedido de referendo contra Maduro para que soubessem se seria possível avançar ao passo seguinte: autenticar sua assinatura.

Na segunda-feira, em um documento de apoio ao revogatório, três ex-ministros de Chávez - Héctor Navarro, Gustavo Márquez e Ana Elisa Osorio -, assim como o general reformado Cliver Alcalá, destacaram que as demissões são um "delito cometido ante a vista de todos, com a maior impunidade".

Perseguição. O governo nega as supostas represálias. "Isto nunca ocorreu, se alguém conhece bem a administração pública, (sabe que) tem um nível de proteção bem amplo, dificilmente pode ser demitido, e muito menos por uma causa política, porque aqui não se persegue", assegurou à imprensa o ministro do Trabalho, Oswaldo Vera.

No entanto, ele considerou válido debater a proposta de Cabello. "Se eu não compartilho do critério desta empresa (...), como posso me empenhar?" - argumentou.

Veja abaixo: Caos na Venezuela

Mas os sindicatos insistem em que há uma campanha de intimidação. "Corresponde às centrais sindicais cuidar da participação política de todos os trabalhadores. Quem quiser assinar, que assine. Quem não quiser, que não assine", afirmou Máspero.

O CNE anunciará em 26 de julho se a oposição conseguiu validar 200 mil assinaturas para ativar o referendo revogatório. Se for assim, terá que coletar quatro milhões de assinaturas para que a consulta seja convocada. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaReferendoNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.