Fundação dos EUA doará US$ 900 mill para construir museu para Hemingway

Material de construção será enviado de contêineres; milhares de fotos, textos e cartas do escritor americano serão preservados

O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 16h40

HAVANA - Uma fundação americana enviará cerca de US$ 900 mil em material a Cuba para construir um espaço com a finalidade de guardar os livros, cartas e fotos d o escritor  Ernest Hemingwway.

De acordo com o documento , é a primeira exportação de materiais de construção a Cuba desde que o presidente Barack Obama suavizou o embargo comercial  à ilha.

 A fundação Finca Vigía, situada em Boston, leva anos tentando ajudar Cuba a evitar que milhares de páginas de documentos pouco a pouco se degradem com a umidade e forte calor da casa onde viveu e trabalhou o escritor, na imediações de Havana entre 1939 e 1960.

Os funcionários do Conselho Nacional de Patrimônio Cultural de Cuba , administrado pela Finca Vigía, estão entusiasmados com a ideia de construir um laboratório de conservação, mas disseram que não tinham financiamento nem o material para fazê-lo.

 É praticamente impossível encontrar material de primeira qualidade em grande parte de Cuba e os proprietários de moradias se vêm forçados a comprar tintas e bombas de água roubadas de agencias governamentais, e pagar a estrangeiros para trazer artigos tão grandes como como lavatórios na sua bagagem.

Em lojas de material de construção administradas pelo governo , solicitar um artigo tão mundano como uma caixa de parafusos provoca risadas entre os vendedores.

A proposta da fundação de enviar conteineres com US$ 862 mil em materiais diversos, desde porcas e parafusos até telhas, foi aprovada pelo governo dos Estados Unidos em maio, depois que Obama considerou uma serie de exceções ao embargo comercial contra a ilha.  As exceções permitirão aos EUA exportarem materiais com o objetivo de ajudar a população cubana em áreas como ciência, arqueologia e conservação histórica .

Arquitetos, engenheiros e pedreiros cubanos utilizarão materiais dos Estados Unidos e blocos de cimento e argamasa cubanos para construir um laboratório de 223 metros quadrados onde milhares de fotografias, aproximadamente 9 mil livros e uma grande quantidade de cartas de e para Hemingway poderão ser guardados e conservados.

"Há uma grande diferença”, disse Mary-Jo Adams, diretora-executiva da fundação Finca Vigía, que atualmente opera com financiamento privado e foi fundada em 2003. "Poderão ser conservados durante décadas."

O apresentador de programas de bricolage na TV  Bob Vila, um dos membros do conselho de direção da Finca Vigía, que é cubano-americano e fala espanhol fluentemente, ajudará a supervisionar o projeto, disse Adams.

A série de exceções ao embargo adotadas por Obama um mês depois do anúncio da distensão das relações com Cuba, em 17 de dezembro, estão destinadas a ajudar os cidadãoes de Cuba e o florescente setor privado da ilha, mas do que ao governo socialista unipartidarista .

Mas o governo cubano mantém o controle sobre a maioria dos aspectos da vida na ilha. Os funcionários do governo Obama reconheceram desde o princípio que seria impossível evitar que a normalização de relações ajudasse o governo cubano, criticado pelos Estados Unidos pela falta de liberdade econômica e politica. / AP


Tudo o que sabemos sobre:
HemingwayHavanaEUAmuseu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.