Fundador do Wikileaks é procurado por estupro na Suécia

Site que vazou documentos secretos nega acusações e que esperava 'truques sujos'.

BBC Brasil, BBC

21 de agosto de 2010 | 08h33

A Justiça sueca afirmou neste sábado ter emitido uma ordem de prisão contra o fundador do site Wikileaks, Julian Assange, por causa de uma acusação de estupro.

O documento foi emitido na noite de sexta-feira, segundo a responsável pelo departamento de comunicações da promotoria do país, Karin Rosander.

Ela disse à BBC que a polícia sueca estaria tentando contactar Assange, sem sucesso até a manhã do sábado.

No Twitter, Wikileaks cita Assange afirmando que as acusações não fariam sentido.

A mensagem é atribuída diretamente a Assange e afirma que as alegações "parecem, no momento, profundamente perturbadoras".

Em outras mensagens publicadas no Twitter, Wikileaks afirma que "ninguém foi contactado pela polícia sueca".

O site, responsável pela divulgação de dezenas de milhares de documentos secretos do governo americano a respeito da guerra no Afeganistão, disse ter sido alertado para a possibilidade de esperar "truques sujos".

O vazamento revelou detalhes até então desconhecidos do conflito, cobrindo o período entre 2004 e 2009, com informações sobre mortes não divulgadas de civis afegãos, bem como sobre operações sigilosas contra líderes do Talebã.

O governo american criticou duramente o vazamento, afirmando que colocaria em risco a segurança do país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.