"Fundamentalista moderado" vence eleição turca

Os eleitores turcos, irritados com a piorcrise econômica do país em décadas, manifestaram neste domingo seu apoio a um partido com raízes islâmicas, o que mudará totalmente a composição do Parlamento da Turquia, aliada-chave dos EstadosUnidos.Apurados 75% dos votos, o Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP) - considerado fundamentalista islâmico moderado - haviaobtido 36% dos votos, segundo dados divulgados pela agência de notícias Anatolia.Seu rival, o Partido Popular Republicano, havia obtido 19% dos votos e estava em segundo lugar. Nenhum outro partido havia obtido mais de 10% dos votos, o porcentual mínimo exigido paraque os partidos possam entrar no Parlamento.O Partido da Esquerda Democrática, do primeiro-ministro, Bulent Ecevit, obteve apenas 1% dos votos. Por isso, nem o chefe de governo deve manter sua cadeira no Parlamento. Antes mesmo doanúncio dos resultados oficiais, Ecevit admitiu a derrota de seu partido. "Não estou surpreso, mas não esperava obter uma porcentagem tão baixa."Segundo esses resultados, o AKP deverá conquistar a maioria das 550 cadeiras do Parlamento e formar um governo sem a necessidade de coalizão. Esse partido, que participa pela primeira vez das eleições turcas, foi fundado a partir de um proscrito partido islâmico.Ele é dirigido por Recep Tayyip Erdogan, ex-prefeito de Istambul que não pôde candidatar-se por causa de uma condenação por "incitação ao ódio religioso". Um promotor tenta impedirErdogan também de dirigir o partido por causa dessa condenação.O Partido Justiça e Desenvolvimento enfatizou que não pretende impulsionar uma agenda islâmica, mas os temores criados por suas inclinações fundamentalistas fizeram com que muitos apoiassem o Partido Republicano do Povo, de centro-esquerda.Erdogan, acusado por seus rivais de ter tendênciasfundamentalistas, disse, neste domingo, durante uma entrevista coletiva em Istambul, que seu partido "está preparado para assumir aresponsabilidade de construir uma política que acelerará a entrada do país na União Européia e de fortalecer a integração" da economia turca à economia mundial.Ele também prometeu que seu partido - que qualificou durante a campanha como laico, democrático e conservador de direita - trabalhará para tornar o país mais aberto e atraenteaos investimentos estrangeiros.Erdogan assegurou que, se seu partido for vitorioso nas eleições, o governo formado pelo AKP se reunirá com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para discutir, se necessário,possíveis mudanças no programa de ajuda de US$ 16 bilhões.Muitos acreditam que um partido com raízes islâmicas poderia levar instabilidade e tensões à região. Os observadores destacam que muitos dos seguidores do AKP foram membros de um movimentopolítico mais radical e podem não se sentir satisfeitos com a posição moderada adotada por seus líderes.Outros dizem que, se o partido mantiver sua posição moderada, poderia tornar-se uma ponte entre o Oriente Médio e a Europa, no momento em que o radicalismo islâmico está aumentando.As eleições ocorrem, enquanto os EUA tentam transformar a Turquia em um exemplo de país democrático e secular que é esmagadoramente muçulmano, mas aposta seu futuro no Ocidente.A economia turca piorou notavelmente desde o ano passado, e Ecevit perdeu o controle do governo. A diferença entre ricos e pobres aumentou drasticamente, a crise financeira diminuiu ovalor da divisa nacional e aumentou o desemprego. Atualmente, 60% da população vive abaixo do nível de pobreza."Votei no Partido da Justiça, pois não acreditamos nos outros partidos", disse Hatice Bilal, de 43 anos. "Queremos o fim dapobreza", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.