Fundos norte-coreanos já estão em Moscou, revela Seul

Pyongyang espera depósito de US$ 25; liberação pode destravar impasse nuclear

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Os US$ 25 milhões de dólares em fundos norte-coreanos liberados na quinta-feira, 14, de um banco em Macau já chegaram a Moscou e aguardavam nesta sexta-feira à espera do depósito em contas do governo da Coréia do Norte, revelou nesta sexta-feira uma fonte no governo sul-coreano. O acesso ao dinheiro era uma das condições impostas por Pyongyang para desmantelar seu programa nuclear bélico, conforme acordo firmado em fevereiro com China, Coréia do Sul, Estados Unidos, Japão e Rússia. "O dinheiro já está no Banco Central" em Moscou, disse o funcionário do governo sul-coreano sob condição de anonimato. "O dinheiro agora precisa ser depositado nas contas norte-coreanas" para que o impasse seja finalmente resolvido, prosseguiu. Em Moscou, um funcionário da chancelaria russa disse a uma agência local de notícias que ainda estão em andamento as negociações para que o dinheiro seja depositado da forma mais rápida possível em uma conta do governo norte-coreano. A liberação do dinheiro depositado no Banco Delta Ásia é aguardada com ansiedade porque pode sinalizar o rompimento de um impasse em torno do acordo fechado no início deste ano para que a Coréia do Norte suspenda seu programa nuclear. Impasse nuclear Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, advertiu à Coréia do Norte que sua paciência está se esgotando, e que não há desculpas para não iniciar imediatamente suspensão de seu programa nuclear, depois da solução para o problema do dinheiro norte-coreano em Macau, informou a agência Kyodo. O bloqueio do dinheiro em Macau havia adiado até agora as negociações, apesar de Pyongyang ter se comprometido - em um acordo alcançado em 13 de fevereiro, em Pequim - a fechar em 60 dias seu reator nuclear de Yongbyon, em troca de ajudas internacionais no âmbito energético. "Para começar, a recusa da Coréia do Norte para iniciar este processo era ridícula, mas, de qualquer forma, agora não tem mais desculpas e deve tomar medidas concretas para sua desnuclearização", afirmou Abe. O primeiro-ministro do Japão fez estas declarações após saber que a transferência dos US$ 25 milhões depositados em contas norte-coreanas no banco Delta Asia de Macau (BDA) tinha sido liberada para Moscou. Liberação Na última quinta, o governo de Macau informou que o Banco Delta Ásia finalmente havia transferido o dinheiro pertencente à Coréia do Norte, que recusava-se a dar seqüência ao desmantelamento de seu programa nuclear bélico enquanto o dinheiro retido em Macau não fosse liberado. Além disso, Abe disse que "tanto eu como o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, dissemos que nossa paciência tem um limite, e a comunidade internacional tomará medidas severas" se a Coréia do Norte não cumprir seu compromisso e não desmantelar seu reator nuclear de Yongbyon. O negociador nuclear americano, Christophe Hill, que chega nesta sexta à Mongólia, viajará na próxima semana a Pequim, Seul e Tóquio para impulsionar o processo de desarmamento nuclear norte-coreano. Os Estados Unidos acusavam o Banco Delta Ásia de cumplicidade em lavagem de dinheiro, mas aceitou a liberação dos fundos em troca do progresso nas negociações nucleares.

Mais conteúdo sobre:
Seul Macau programa nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.