Furacão e depressão tropical deixam ao menos 21 mortos no México

No balneário de Acapulco, local das piores inundações, ao menos onze pessoas morreram

O Estado de S. Paulo,

16 de setembro de 2013 | 13h43

CIDADE DO MÉXICO - A chuva forte no Golfo do México e na costa do Pacífico provocada pelo furacão Ingrid e pela depressão tropical Manuel deixou ao menos 21 mortos em decorrência de inundações e deslizamentos no domingo, 15, e levou algumas cidades a cancelar comemorações do Dia da Independência.

Milhares de pessoas buscaram abrigo de emergência após a chegada da depressão Manuel à terra firme na costa oeste e devido à chuva provocada pelo furacão Ingrid na outra costa.

A combinação de uma tempestade tropical em uma costa e um furacão na outra é inédita no México, de acordo com Juan Manuel Caballero, chefe do serviço meteorológico do México.

A empresa estatal de petróleo Pemex , que tem a maioria de suas instalações no Golfo, disse que retirou funcionários de três plataformas ao longo da costa de Tamaulipas. A Pemex informou por meio de sua conta no  Twitter que também fechou 24 poços na área, mas uma refinaria em Ciudad Madero, em Tamaulipas, perto do local previsto para a chegada do furacão Ingrid ao continente, permaneceu aberta.

Em razão da passagem do Ingrid, várias cidades em Tamaulipas cancelaram os planos para as comemorações da independência na noite de domingo, segundo a imprensa local.

O balneário de Acapulco, no Estado de Guerrero, sofreu as piores inundações. Onze pessoas morreram devido à queda de casas e muros por causa da chuva. Mais três pessoas morreram em Guerrero em decorrência de deslizamentos de terra. Nos Estados de Puebla e Oaxaca, quatro pessoas morreram em desabamentos e deslizamentos de terra, e outras três pessoas morreram no Estado de Hidalgo, depois que o carro em que estavam foi arrastado por uma forte correnteza. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.