Furacão Félix mata pelo menos 38 na Nicarágua

Mais de cem nicaragüenses seguem desaparecidos; Honduras está em alerta por risco de inundações

EFE E FRANCE PRESSE, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2006 | 00h00

Manágua - O furacão Félix deixou um saldo de pelo menos 38 mortos e 120 desaparecidos na Nicarágua, anunciou ontem à noite o secretário-executivo do Sistema Nacional de Prevenção, Mitigação e Atendimento de Desastres, Ramón Arnesto Soza. Cerca de 50 mil pessoas também foram afetadas pelas chuvas e ventos fortes no país, enquanto na vizinha Honduras foi decretado alerta máximo pela possibilidade de inundações e deslizamentos."Precisamos acelerar as operações de salvamento", disse o governador da Região Autônoma do Atlântico Norte, Reynaldo Francis, ao presidente nicaragüense, Daniel Ortega, num diálogo transmitido pela TV local. "O número de desabrigados está crescendo e recebemos informações de que muitas pessoas estão ilhadas."O Félix atingiu o nordeste da Nicarágua na terça-feira com ventos de 260 quilômetros por hora e categoria 5 - a máxima na escala Saffir-Simpson. Ele foi o segundo furacão a chegar ao continente com a força máxima nesta temporada de furacões - um fato inédito desde que essas tormentas começaram a ser registradas, em 1928.As localidades mais afetadas foram Sandy Bay, Bismona e Puerto Cabezas - onde 90% da infra-estrutura foi destruída. Muitos moradores contrariaram as ordens para deixar suas casas de madeira - que foram arrasadas pelo temporal. "Foi horrível. Os ventos faziam muito barulho e derrubavam árvores e postes de eletricidade", descreveu Lorena Hernández, moradora de Puerto Cabezas. No final da tarde de ontem, o furacão já se havia transformado numa tempestade tropical (com ventos de 45 quilômetros por hora) e cruzado as fronteiras de Honduras e da Guatemala. As chuvas intensas no norte e noroeste da Guatemala elevaram o nível dos rios e causaram inundações, segundo relatórios entregues por equipes de voluntários à Coordenadoria Nacional para a Redução de Desastres. HENRIETTEEnquanto o Félix perdia força, outro furacão, o Henriette, atingiu à noite a costa mexicana pela segunda vez, entrando no continente pelos Estados de Sonora e Sinaloa. Na véspera, o Henriette chegou ao sul da península mexicana de Baixa Califórnia, deixando 21 mil pessoas sem luz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.