Furacão Gonzalo ganha força rumo às Ilhas Bermudas

Meteorologistas preveem que fenômeno provocará ventos fortes ao se aproximar de arquipélago e perderá intensidade

MIAMI, EUA, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2014 | 02h01

O furacão Gonzalo voltou a ganhar força ontem, atingindo mais uma vez a categoria 4, ao se encaminhar para as Ilhas Bermudas, de acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. Ele estava a cerca de 780 quilômetros a sul-sudoeste do arquipélago, segundo o NHC, com ventos máximos sustentados de 230km/h.

O NHC, que tem sua sede em Miami, detalhou ontem em seu boletim das 15 horas GMT (12 horas de Brasília) que o furacão Gonzalo se deslocava rumo ao norte a uma velocidade de 11km/h.

A previsão é a de que o Gonzalo provoque fortes correntes e ondas perigosas ao se aproximar da Costa Leste dos Estados Unidos e ventos intensos ao se aproximar hoje das Bermudas, segundo estudos.

Os meteorologistas estimam que o furacão deverá sofrer mudanças somente hoje, rumo ao nordeste, por isso "o olho do furacão passará provavelmente perto das Bermudas na tarde de amanhã (hoje)".

Espera-se um "possível enfraquecimento" do Gonzalo hoje, mas o sistema continuará sendo um "perigoso furacão quando estiver próximo das Bermudas", para começar a se enfraquecer à noite, detalharam os especialistas do NHC.

Na atual temporada de furacões do Oceano Atlântico, que começou em 1.º de junho e termina em 30 de novembro, foram formadas sete tempestades tropicais, das quais seis se transformaram em furacões e dois deles, Edouard e Gonzalo, alcançaram as categorias 3 e 4, respectivamente.

O Gonzalo chegou brevemente à categoria 4 na quarta-feira, mas caiu para a categoria 3 pela noite do mesmo dia, ao se afastar do norte do Caribe, segundo meteorologistas.

Autoridades e meios locais disseram que o furacão causou danos às ilhas caribenhas de Antígua, St. Maarten e Martinica. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Furacão Gonzalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.