Yahir Ceballos
Yahir Ceballos

Furacão Grace causa graves enchentes e deslizamentos, deixando oito mortos no México

“O estado de emergência não terminou”, disse o governador de Veracruz, Cuitlahuac Garcia, em entrevista coletiva

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2021 | 02h32

 O furacão Grace atingiu o México com chuvas torrenciais neste sábado, 21, causando graves enchentes e deslizamentos de terra que mataram pelo menos oito pessoas — seis de uma única família.

O Grace soprou ventos máximos sustentados de 125 milhas por hora (201 km por hora) — um furacão de categoria 3 na escala de cinco etapas Saffir-Simpson — quando atingiu a costa perto do resort de Tecolutla, no estado de Veracruz, no início da manhã .

“O estado de emergência não terminou”, disse o governador de Veracruz, Cuitlahuac Garcia, em entrevista coletiva.

A televisão local mostrou fortes enchentes em Xalapa, com caixões de uma empresa local flutuando em uma rua inundada. O vizinho rio Actopan estourou suas margens, fechando uma rodovia local, disseram autoridades estaduais.

Imagens de televisão também mostraram enchentes em Ciudad Madero, no sul do estado de Tamaulipas, perto da fronteira com Veracruz. A refinaria Francisco Madero da estatal mexicana Petroleos Mexicanos (Pemex) está localizada em Ciudad Madero.

O aeroporto internacional da Cidade do México disse que alguns voos foram cancelados devido ao furacão. A concessionária de energia nacional Comision Federal de Electricidad (CFE) relatou que 565.000 usuários de eletricidade foram afetados por interrupções.

O furacão Grace enfraqueceu rapidamente enquanto se movia para o interior montanhoso, e por volta das 16h CDT (2100 GMT) estava se dissipando no centro do México, com ventos máximos de 25 mph (35 km / h). O centro ficava a cerca de 105 km a oeste-noroeste da Cidade do México, disse o National Hurricane Center (NHC), com sede em Miami.

Antes de Grace chegar à terra, o presidente Andres Manuel Lopez Obrador instou as pessoas nos estados de Veracruz, Puebla, San Luis Potosi, Tamaulipas e Hidalgo a chegar a lugares mais altos ou abrigos. / Com informações da Reuters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.