REUTERS/Paola Chiomante
REUTERS/Paola Chiomante

Furacão Grace toca solo no Caribe mexicano e causa temporais

De acordo com o Centro Nacional de Furacões, na escala de furacões Saffir-Simpson, Grace está e deve permanecer na categoria 1, a mais baixa

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2021 | 10h51

O furacão Grace chegou à costa caribenha do México na madrugada desta quinta-feira, 19, e percorreu a península de Yucatán, liberando chuvas intensas que afetaram resorts turísticos. Os hotéis precisaram ser evacuados.

O Grace era uma tempestade tropical, mas, nos últimos dias, ganhou força e passou a ser considerado um furacão.

De acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, na escala de furacões Saffir-Simpson, Grace está na categoria 1, sendo 5 a mais alta de todas. Nesta manhã, a tempestade atingiu o sul do centro turístico de Tulum com ventos que chegaram à casa dos 130km/h.

O furacão, que já atingiu a Jamaica, o Haiti e as Ilhas Cayman, deverá tocar o solo em Yucatán. 

Grace “se encontra sobre o território de Quintana Roo (…) seus ventos de furacão são sentidos na parte central do estado, e as rajadas de tempestade tropical, em Cancún, Isla Mujeres e Puerto Morelos”, tuitou Carlos Joaquín, governador desse estado mexicano que se estende pelo Caribe.

Na quarta-feira (18), autoridades locais desalojaram turistas e alguns moradores de centros de veraneio próximos da área de impacto de Grace, de baixa densidade populacional.

Às 9h (horário de Brasília), a tempestade já estava sobre o solo, a 70 quilômetros da cidade de Valladolid, no estado de Yucatán, de acordo com o relatório do NHC.

“Espera-se que Grace se mova sobre a península de Yucatán hoje e sobre o sudoeste do Golfo do México”, informa o boletim do centro americano.

O furacão, que deve permanecer na categoria 1, volta a atingir o solo, na costa mexicana, entre sexta e sábado. /AFP e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.