REUTERS/Rick Wilking
REUTERS/Rick Wilking

Passagem do furacão Harvey deixa 1 morto e provoca chuvas torrenciais no Texas

Vítima morreu ao ficar presa no incêndio de sua casa; segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA, o fenômeno foi rebaixado à tempestade tropical, com ventos com velocidade máxima de 112 km/h

O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2017 | 15h38

CORPUS CHRISTI, EUA - O furacão Harvey perdeu sua força neste sábado, 26, mas ainda ameaça o Texas, informaram os serviços meteorológicos, alertando que o fenômeno poderá provocar inundações "extremamente sérias". "Uma tempestade dessa magnitude vai causar inundações catastróficas", afirmou o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês).

Até o momento, uma morte foi confirmada. "Trata-se de uma pessoa que ficou presa no incêndio de sua casa durante a tempestade", disse à imprensa o juiz C.H. "Burt" Mills, do condado de Aransas, na costa texana. Ainda segundo ele, pelo menos 10 pessoas ficaram levemente feridas.

O Centro Nacional de Furacões dos EUA afirmou que o Harvey enfraqueceu e se transformou em uma tempestade tropical, com ventos com velocidade sustentada máxima de 112 km/h. Ele chegou ao Texas durante a noite, como um furacão de categoria 4, com ventos de mais de 209 km/h e causou estragos. As companhias de energia do Estado disseram que 237 mil clientes estavam sem eletricidade. 

O chefe da agência federal de emergências dos EUA, a Fema, avalia que levará anos até que as cidades e localidades atingidas pelo Harvey se recuperarem da devastação. "Este vai ser um longo e frustrante processo sem precedentes para o Estado do Texas", afirmou à cadeia MSNBC o diretor da Fema, Brock Long.

As ruas da cidade de Corpus Christi, que tem cerca de 320 mil habitantes, estavam desertas neste sábado, com outdoors retorcidos e fortes ventos. A região sofreu uma retirada voluntária de moradores antes da tempestade.

As autoridades municipais pediram que os moradores reduzam o uso dos banheiros em razão de blecautes, que interromperam o tratamento de esgoto nas estações. O município também pediu aos moradores para ferverem a água antes do consumo.

Um navio petroleiro se soltou de seu ancoradouro durante a madrugada e bateu em alguns rebocadores no porto de Corpus Christi, disse o executivo portuário Sean Strawbridge. As tripulações dos rebocadores estavam bem, segundo ele.

A cidade costeira de Rockport, a 48 quilômetros ao norte da cidade de Corpus Christi, foi atingida fortemente. Várias casas desabaram e muitas foram danificadas ao terem telhados arrancados e janelas estilhaçadas. As ruas foram inundadas e ficaram cheias de linhas de energia derrubadas e destroços. Em um pátio de veículos, vários deles foram virados e um foi atirado no meio da rua.

“Foi terrível”, disse o morador Joel Valdez, de 57 anos. A tempestade arrancou parte do telhado de seu trailer perto das 4h da manhã, disse ele. “Eu senti toda a casa se mover.” Valdez contou que ficou na cidade durante a tempestade para cuidar de seus animais.  

Os Estados do Texas e Louisiana declararam estado de desastre antes da chegada do Harvey, o que autoriza o uso de recursos estatais para a preparação. Os moradores de Houston, quarta cidade mais populosa do país, foram acordados neste sábado por alertas automáticos de inundações enviados a seus celulares. 

Inundações

De acordo com o governador do Texas, Greg Abbott, a principal preocupação continua sendo com "as inundações dramáticas". Ele alertou a população a ficar atenta ao rápido avanço do nível das águas.

O Harvey deve perdurar durante dias sobre o Texas e trazer cerca de 101,6 centímetros de chuva a algumas partes do Estado. A última previsão sobre a rota da tempestade estimava que ele voltaria para a costa do Golfo do México antes de rumar para o norte outra vez na terça-feira.

A cidade de Houston deve receber entre 60 e 91 centímetros de chuva nos próximos dias, segundo o prefeito Sylvester Turner. “É importante que as pessoas fiquem fora das ruas", disse ele, acrescentando que a cidade está preparada para o que ele descreveu como “grande evento de água”.

Acredita-se que cerca de 6 milhões de pessoas estejam no caminho do Harvey, assim como o coração das operações de refino de petróleo dos EUA. O impacto da tempestade nas refinarias já elevou o preço da gasolina. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA aliviou as regras sobre especificações do combustível na sexta-feira para reduzir a escassez.

O presidente dos EUA, Donald Trump, que está enfrentando o primeiro desastre natural de seu mandato, disse no Twitter que havia assinado uma declaração de desastre que “libera todo o poder da ajuda do governo” pouco antes de o Harvey tocar o solo.

“Vocês estão fazendo um ótimo trabalho – o mundo está assistindo”, afirmou Trump em um tuíte se referindo à Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema, na sigla em inglês), que coordena a resposta a grandes desastres. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.