Alexandre Meneghini/Reuters
Alexandre Meneghini/Reuters

Furacão Irma atinge Cuba com força máxima

Fenômeno ganhou força horas antes de alcançar a ilha; o Estado americano da Flórida deve ser atingido na manhã de domingo, 10

AFP, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2017 | 03h02

O furacão Irma, que se fortaleceu e recuperou a categoria 5, a mais alta, antes de atingir o território cubano no final da noite de sexta-feira, 8. O Instituto de Meterologia (Insmet) do país confirmou ventos superiores a 260 km/h na região de Cayo Romano, a pouco mais de 350 km de Bahamas, região já devastada.  

O fucarão avança sobre a direção oeste da costa norte da ilha e tem diminuido em 15 km sua velocidade por hora, o que aumenta a possibilidade de danos na ilha. Segundo o Insmet, nas próximas horas os ventos soprarão entre 160 e 190 km/h nas regiões mais centrais do território. Haverá força tropical, entre 75 e 90 km/h, na parte leste da ilha.

No sábado, durante a tarde, os ventos devem perder intensidade, que deve cair para 60 e 85 km/h  nas áreas mais a oeste da ilha, nas províncias de Matanzas, Mayabeque e La Havana. 

Estão previstos maremotos em todos os litorais, e pode ser que ocorram entre 300 e 500 metros. Ainda segundo informações do Insmet, as próximas horas terão céu nublado e chuvas intensas. 

No momento Cuba mantém em alerta 11 de suas 15 províncias.  Mais de 1 milhão de pessoas foram evacuadas em toda a ilha, e pelo menos 77% delas estão hospedadas em casas seguras de amigos e familiares. 

Intensidade. O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos afirmou que o furacão Irma voltou a se fortalecer nesta noite e foi novamente elevado para categoria 5, a mais forte, com ventos máximos sustentados de 257 quilômetros por hora. O Irma havia sido rebaixado para categoria 4, mas, ao atingir Cuba, voltou a ser elevado para o maior nível possível.

 Na última terça-feira, a instituição afirmou que o Irma é o furacão mais forte já registrado na história do Oceano Atlântico. Para especialistas, a força da tormenta é o resultado da inusual subida de temperatura de parte do Atlântico. De acordo com o meteorologista da World Weather Jared McWilliams, o Irma tem potencial de causar sérios danos em Cuba e na Flórida.

Na última terça-feira, a instituição afirmou que o Irma é o furacão mais forte já registrado na história do Oceano Atlântico. Para especialistas, a força da tormenta é o resultado da inusual subida de temperatura de parte do Atlântico. De acordo com o meteorologista da World Weather Jared McWilliams, o Irma tem potencial de causar sérios danos em Cuba e na Flórida.

O Estado americano deve ser atingido na manhã de domingo, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos EUA. A tempestade está a cerca de 485 quilômetros de Miami.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.