Ministério da Defesa/ Reuters
Ministério da Defesa/ Reuters

Furacão Irma deixa 10 mortos nas Antilhas e caminha para República Dominicana

Nos Estados Unidos, moradores da Flórida se preparam para a chegada da tempestade

O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2017 | 11h07

SANTO DOMINGO - O furacão Irma se desloca para a República Dominicana e o Haiti após ter deixado ao menos 10 mortos nas Antilhas entre a quarta-feira, 6, e a madrugada desta quinta-feira, 7. A tempestade de categoria 5, a mais alta na escala Saffir -Simpson devastou as ilhas de Saint Martin e Barbuda, além de ter provocado danos consideráveis em outras ilhas pequenas do Caribe. Nos Estados Unidos, moradores da Flórida se preparam para a chegada da tempestade. 

O olho do furacão se move a 26 quilômetros por hora rumo a noroeste da República Dominicana e está a 155 quilômetros de Punta Cana, segundo o último relatório do Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. Um total de 17 províncias, entre elas Santo Domingo, a capital, estão em alerta vermelho (máxima), 12 em alerta amarelo (intermediária) e três em verde (mínima), enquanto que no Haiti foi declarado o alerta vermelho em todo o país.

Aeroportos nas Bahamas estão fechando à espera do furacão. Turistas foram orientados a antecipar seus retornos antes da chegada da tempestade e é provável que os voos sejam completamente lotados. 

Segundo o NHC, o Irma deve atingir a Flórida como um furacão de categoria  4 ou 5 e antes de chegar aos Estados Unidos deve passar por República Dominicana, Haiti, Cuba, Turks e Caicos e Bahamas. 

Devastação. O furacão Irma causou enormes danos em St. Martin, onde arrasou o aeroporto e o porto, deixando  inacessível a parte holandesa da ilha caribenha,  declarou o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

A ministra francesa de Ultramar, Annick Girardin, anunciou o envio de reforços humanos e materiais incluem um efetivo de cerca de 200 pessoas, entre socorristas, militares, bombeiros e médicos. Holanda e França compartem o território. 

"Também há cães, porque, infelizmente, vamos ter trabalho em St. Barts, uma ilha francesa vizinha de St. Martin, onde os danos são muito grandes", declarou Girardin. Hoje, será aberta uma ponte aérea entre St. Martin e Guadalupe para trazer o necessário e, ao mesmo tempo, transladar feridos. 

Temor.  O furacão Irma terá um impacto realmente devastador quando chegar à costa americana da Flórida - afirmou o diretor da Agência de Gestão de Emergências (Fema, na sigla em inglês), Brock Long, em entrevista à rede CNN.

"A maior parte das pessoas ao longo da costa (americana) nunca experimentou um furacão como este. Será realmente devastador", advertiu Long, lembrando que os Estados Unidos foram atingidos por furacões de categoria cinco apenas três vezes desde 1851.

Long advertiu a população, sobretudo, para que siga as ordens de retirada emitidas pelas autoridades na Flórida. "Todo o sudeste dos Estados Unidos deve se manter seguro e manter atenção, em especial na Geórgia e nas Carolinas do Norte e do Sul", frisou.

Em meio à situação de alerta, o presidente Donald Trump tuitou "sejam prudentes, permaneçam em lugares seguros!".

"Dispomos de equipes com gente talentosa e corajosa no local e disposta a ajudar", completou.

Irma é o mais potente furacão prestes a passar pela Flórida desde o Andrew em 1992, também de categoria 5, a mais alta na escala de Saffir-Simpson./ AFP, EFE e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.