AFP PHOTO / STR
AFP PHOTO / STR

Furacão Maria deixou ao menos 15 mortos em Dominica

Primeiro-ministro anunciou que foi milagre que número de mortos não tenha chegado a centenas; tempestade segue para Porto Rico

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 16h21

MIAMI - O furacão Maria devastou a pequena ilha independente Dominica, no Caribe, e deixou ao menos 15 mortos, anunciou nesta quinta-feira, 21, seu primeiro-ministro, Roosevelt Skerrit. "Até o momento, enterramos ao menos 15 pessoas", declarou o premiê, emocionado, à televisão de Antigua e Barbuda, um país vizinho.

Skerrit afirmou que foi um milagre que o número de mortos não tenha chegado a centenas. O olho do furacão de categoria 4 atingiu Dominica com violência no fim da segunda-feira e no início da terça-feira, destruiu centenas de casas e interrompeu o sistema de comunicações da montanhosa ilha. O aeroporto local também foi fechado. "Vamos precisar de toda a ajuda que o mundo tem a oferecer", disse Skerrit.

A devastação em Dominica, de 70 mil habitantes, foi confirmada pelo primeiro-ministro, que relatou que sua própria casa ficou totalmente destruída pela força dos ventos do furacão, que atravessou a região do Caribe para o oeste deixando um rastro de destruição.

Segundo o testemunho do operador de rádio, os danos foram muito superiores aos do furacão "David" em 1979, que deixou destroçado esse território caribenho.

Dominica permaneceu isolada durante todo o dia de ontem com os demais territórios próximos, apesar da tentativa de um helicóptero enviado pelas autoridades da Venezuela de aproximar-se da região.

O furacão Maria alcançou ventos de 280 quilômetros por hora na sua rota para Porto Rico, segundo boletim do Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos. / AFP, AP e EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Dominica [América Central]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.