U.S. Navy/Capt. Frederick H. Agee/Handout via Reuters
U.S. Navy/Capt. Frederick H. Agee/Handout via Reuters

Furacão Matthew obriga a retirada de 700 pessoas da base militar de Guantánamo

Os desalojados foram transferidos durante o fim de semana para instalações da Marinha em Pensacola, na Flórida; ao menos duas pessoas morreram na República Dominicana em desmoronamento causado pelas fortes chuvas provocadas pelo fenômeno

O Estado de S. Paulo

04 de outubro de 2016 | 15h08

WASHINGTON - A Marinha dos Estados Unidos desalojou 700 pessoas da base naval de Guantánamo, em Cuba, antes da iminente chegada do potente furacão Matthew na região oriental da ilha, segundo informações divulgadas na segunda-feira pelo Pentágono.

Os desalojados, esposas e filhos de militares da base, além de animais de estimação, foram transferidos durante o fim de semana para as instalações da Marinha em Pensacola, na Flórida (EUA). Não está previsto a transferência dos 61 detentos que seguem na prisão de Guantánamo.

"Tomamos medidas para manter nossa equipe e os detidos seguros e protegidos. Estão em sólidos edifícios, e há muitos lugares onde podem se abrigar e ficar seguro", explicou o capitão Jeff Davis, porta-voz do Pentágono.

Na base de Guantánamo, vivem cerca de 5,5 mil pessoas entre militares e seus familiares, por isso, depois da mudança, ficaram aproximadamente 4,8 mil que têm a missão de "iniciar rapidamente os trabalhos de recuperação" após o furacão.

Vítimas.  Duas crianças morreram nesta terça-feira, 4, em um dos bairros mais pobres da capital da República Dominicana após o desmoronamento de uma casa causado pelas fortes chuvas provocadas pelo furacão Matthew, que tocou terra hoje no oeste do Haiti, informaram as autoridades.

O desabamento aconteceu no início da manhã em Capotillo, no Distrito Nacional, centro de Santo Domingo, está em alerta vermelho (máxima) da mesma forma que outras 15 das 32 províncias do país, disse à agência EFE a Defesa Civil.

Chuvas fortes castigam a República Dominicana desde a madrugada de ontem mostrando os efeitos do furacão Matthew, que já provocou o deslocamento de 14,5 mil pessoas, de acordo com o Centro de Operações de Emergências (COE), que mantém também nove províncias em alerta amarelo (médio) e sete no verde (mínimo).

O olho do poderoso furacão, de categoria 4 e com ventos máximos constantes de 230 km/h, tocou hoje terra no oeste do Haiti, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos. Matthew, que tocou a terra perto de Les Anglais, está a 15 quilômetros ao leste de Tiburón (Haiti) e a 200 quilômetros ao sul da ponta leste de Cuba, informou o NHC em boletim especial. Matthew avança rumo ao norte com uma velocidade de 15km/h. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.