Furacão Omar atinge Ilhas Virgens e refinaria é fechada

O furacão Omar atingiu as Ilhas Virgens e Porto Rico hoje, com ventos de 200 quilômetros por hora. O fenômeno ganhou força e foi elevado para a categoria 3. Em St. Croix, a refinaria Hosensa LLC, uma das dez maiores do mundo, interrompeu quase totalmente sua produção de 500 mil barris diários. A tempestade desviou de San Juan, capital de Porto Rico, e seguiu para o mar aberto, com seu olho 90 quilômetros a noroeste de San Martin às 3 horas da manhã (hora de Brasília) hoje, segundo o Centro Nacional de Furacões.Funcionários advertiram sobre possíveis mortes causadas pelo furacão, já que o Omar ameaçava levar até 500 milímetros de chuvas ao longo das Ilhas Leeward e das Ilhas Virgens. "Essas chuvas podem causar enchentes e deslizamentos capazes de ameaçar vidas", advertiu um comunicado do centro. Em Porto Rico, os meteorologistas retiraram um aviso de advertência, após todos os vôos comerciais e eventos públicos terem sido cancelados no país. Além disso, as escolas e os portos estavam fechados, enquanto a ilha ansiosamente esperou pela chegada do furacão.Encarregados dos resgates haviam instalado 18 abrigos no leste da ilha, onde estava prevista a chegada da tempestade com mais força. O Omar também paralisou as Ilhas Virgens norte-americanas e britânicas, após no fim da quarta-feira o furacão ter sido elevado para a categoria 3 na escala Saffir-Simpson. A escala, que vai de 1 a 5, mede o estrago potencial que um furacão pode causar.Na refinaria Hosensa, a produção de petróleo foi quase paralisada. Foi produzido apenas "o necessário para manter o suprimento de energia no complexo", segundo o porta-voz Alex Moorhead. A área que circunda a refinaria foi fechada pela Guarda Costeira dos Estados Unidos na terça-feira. A refinaria é de propriedade da Hess Corp. e da estatal venezuelana PDVSA. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.