Furacão Paula dirige-se para o México e Cuba

O furacão Paula tomou hoje a direção da Península do Yucatán (México) e de Cuba após ter provocado fortes chuvas em partes da América Central. Às 9 horas (horário de Brasília) Paula estava a cerca de 90 quilômetros a Leste de Cancún e cerca de 115 quilômetros sudoeste da parte ocidental de Cuba, onde, segundo os meteorologistas, o furacão deve mudar de direção ainda nesta semana.

PRISCILA ARONE, Agência Estado

13 de outubro de 2010 | 12h53

Autoridades mexicanas elevaram o alerta para o nível mais alto, o vermelho, no norte do Estado de Quintana Roo, incluindo Cancún, mas informou que a evacuação de 27 mil turistas na região não é necessária. "Os aeroportos estão operando normalmente", disse o governador do Estado, Felix Gonzalez, em conversa com jornalistas.

Um aviso de furacão foi emitido para a costa da Península de Yucatán, incluindo a ilha de Cozumel, e para a província cubana de Pinar del Rio, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, pela sigla em inglês). Paula, um furacão pequeno, ganhou força e chegou à categoria 2 na escala Saffir-Simpson, com ventos de 160 quilômetros por hora, mas ainda pode registrar um leve fortalecimento, disse o NHC.

Autoridades mexicanas advertiram as pessoas a ficarem em locais fechados, principalmente na porção norte da Península de Yucatán. Em Cuba, que na temporada de furacões de 2008 foi atingida por três grandes furacões, os serviços de meteorologia preveem fortes chuvas no Oeste da ilha para hoje.

Paula elevou a perspectiva de novas enchentes na América Central e no México, após semanas de fortes precipitações que provocaram deslizamentos de terra. O furacão provocou fortes chuvas em partes da Nicarágua e Honduras e deve provocar precipitações entre 75 milímetros e 150 milímetros em Yucatán e em Cuba. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ambientefuracãoPaulaMéxicoCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.