Furacão que já matou 85 põe EUA em alerta

Gustav está no Caribe e deve se fortalecer ainda mais

Washington, O Estadao de S.Paulo

30 de agosto de 2008 | 00h00

O furacão Gustav, que já deixou 85 mortos no Haiti, República Dominicana e Jamaica, voltou a ganhar força conforme avançava sobre o Mar do Caribe em direção a Cuba e Ilhas Cayman. Segundo informações divulgadas ontem pelo Departamento de Emergências dos EUA, o furacão deve atingir o território americano na segunda-feira com a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5. O Partido Republicano considerava ontem a possibilidade de adiar o início de sua Convenção Nacional, marcada para segunda-feira em Saint Louis. Por sua vez, o Departamento de Energia anunciou que poderá liberar mais de 4,4 milhões de barris de petróleo por dia de sua reserva estratégica se o ciclone provocar a paralisação por um longo período de parte da produção petrolífera do Golfo do México. Ainda assim, a perspectiva da chegada do furacão já provocava uma alta de preços nos postos de gasolina. O Golfo do México é responsável por 25% da produção de petróleo dos EUA e 40% de sua capacidade de refino. Ontem, empresas do setor energético retiravam seus funcionários das instalações em alto-mar e procuravam levar os equipamentos que podiam ser transportados para locais seguros. Após ganhar força sobre as águas quentes do Caribe, o Gustav passará pela região, chegando em terra perto de New Orleans, na Louisiana. Há três anos, a cidade foi devastada pelo furacão Katrina, que deixou cerca de 1.500 mortos na região. Ontem, muitas vítimas do Katrina, que ainda vivem em casas improvisadas e trailers, foram instruídas a deixar a cidade."Essa tempestade tem potencial para ser muito perigosa. Recomendamos que os moradores dessas regiões sigam as instruções dos serviços de emergência locais e se prepararem para deixar suas casas", disse Bill Irwin do Corpo de Engenheiros do Exército. Turistas, idosos e pacientes de hospitais começaram a ser retirados dos Estados do Texas e da Louisiana em ônibus, trens e aviões. Para hoje está previsto o início da retirada dos moradores de cidades do Alabama e Mississippi, de acordo com Harvey Johnson, da Agência Federal de Manejo de Emergência. Só na Louisiana, há cerca de 240 mil casas nas áreas que podem ser atingidas pelo furacão. Segundo Johnson, os Estados do Novo México e Tennessee aceitaram receber os deslocados. CARIBENas Ilhas Cayman, o Gustav deve chegar como um furacão de categoria 1. Os turistas foram instruídos a deixar a ilha e depois o aeroporto foi fechado para abrigar a população local. REUTERS, AP E FRANCE PRESSEROTA DO GUSTAV26/08 e 27/08 - Enchentes e deslizamentos de terra deixam 59 mortos no Haiti 27/08 - Na passagem pela República Dominicana, furacão mata 8 28/08 - Ciclone perde força, mas, mesmo assim, deixa 11 mortos na Jamaica 30/08 - Atingirá Cuba e as Ilhas Cayman 01/09 - Chegará aos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.