Furacão Rick perde força, mas ameaça costa do México

O furacão Rick, rebaixado hoje da categoria 4 para a 3, em uma escala de 1 a 5, avança na direção da Península de Baixa Califórnia. Meteorologistas alertaram, porém, que o fenômeno ainda representa riscos para os centros turísticos no extremo sul da região.

AE-AP, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 18h29

Ontem, ondas de quatro metros provocadas pelo furacão causaram a morte de um pescador de 38 anos que, segundo o diretor de defesa civil de Los Cabos, Francisco Cota, foi arremessado contra pedras no litoral do México.

Testemunhas tentaram resgatar o pescador, mas ele já estava morto quando foi retirado da água. Cota disse que a polícia começou a patrulhar a região e pedir à população local para manter-se afastada das praias.

Os ventos máximos sustentados de Rick estavam, no final da tarde, em quase 185 quilômetros por hora. O furacão pode seguir perdendo força, mas ainda é considerado perigoso, conforme se aproxima de Baixa Califórnia. A expectativa é de que ele passe muito perto de Los Cabos ou até mesmo atinja a cidade na quarta-feira, informaram meteorologistas.

Na tarde de hoje, o olho do furacão Rick situava-se 595 quilômetros a su-sudoeste da localidade mexicana de Cabo San Lucas, seguindo rumo ao noroeste a 15 quilômetros por hora.

Rick é o segundo furacão mais forte no nordeste do Pacífico desde 1966, quando especialistas começaram a registrar outros com maior rigor científico, segundo o meteorologista Hugh Cobb. O furacão Linda, de setembro de 1997, foi o mais forte na região, com ventos de 296 quilômetros por hora.

Os meteorologistas alertam os moradores para que acompanhem as informações sobre o fenômeno, já que Rick seguirá como um furacão perigoso nos próximos dias.

Tudo o que sabemos sobre:
furacãoRickMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.